A concepção de Desenvolvimento Local na trajetória de uma Organização Social do Terceiro Setor no município de São Leopoldo, RS

  • Roberta Soares da Rosa Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)
  • Patrick Dias Gomes Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS
  • Géssica Carneiro da Rosa Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS
Palavras-chave: Círculo Operário Leopoldense. Sistematização. Desenvolvimento Local.

Resumo

Este artigo pretende apresentar a trajetória da concepção de Desenvolvimento Local nos princípios das práticas político-pedagógicas de uma organização do Terceiro Setor, oriunda de uma pesquisa em arquivos e documentos dos planejamentos institucionais dos últimos catorze anos. Serão abordados conceitos que permeiam as práticas educacionais, bem como o conceito de Desenvolvimento Local (DL) com o qual trabalhamos. O Círculo Operário Leopoldense - COL, organização do Terceiro Setor com 78 anos de fundação, em 2011 se propôs a refletir sobre a concepção de Desenvolvimento Local que desde 1998 está na pauta da instituição e em sua razão de ser desde 2006. Através de um processo de sistematização de práticas, colocamos o tema D.L. como eixo central. Esse processo contribui para afirmação da concepção de D.L. e definição dos próximos passos a serem dados para uma efetiva contribuição para o Desenvolvimento Local.

 

Referências

ADAMS, Telmo. Educação e economia popular solidária: mediações pedagógicas do trabalho associado. São Paulo: Ideias & Letras, 2010

ÁVILA, Vicente Fideles de. Paciência, capitalismo, socialismo e desenvolvimento local endógeno. Revista Interações, Campo Grande, MS, v. 9, n. 1, p. 85-98, jan./jun. 2008.

BLANCO, Diego Monte; KEIL, Ivete Manetzeder; SOETHE, José Renato. Estudos sobre sistemas de desenvolvimento local. São Leopoldo: Escritos Editora, 2011.

BUARQUE, Sérgio C. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável: material para orientação técnica e treinamento de multiplicadores e técnicos em planejamento local e municipal. Brasília: MEPF, INCRA, IICA, jun. 1999. Disponível em: <www.iica.org.br/Docs?Publicações>. Acesso em: jan. 2012.

FRAGOSO, António. Contributos para o debate teórico sobre o desenvolvimento local: um ensaio baseado em experiências investigativas. Revista Lusófona de Educação, (5), p. 63-83, 2005.

GOHN, Maria Glória da. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GOHN, Maria Glória da; BRINGEL, Breno M. Movimentos sociais na era global. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

JARA Holliday, Oscar. A sistematização de experiências: prática e teoria para outros mundos possíveis. Tradução de: Luciana Grafrée e Silvia Pinevro. Brasília: CONTAG, 2012.

SANCHES, Cínara Del Arco. A contribuição à sistematização de experiências para o fortalecimento do campo agroecológico e da agricultura familiar no Brasil. 2011. 181f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Agroecologia e Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2011.

SOBOTTKA, E. A utopia político-emancipatória em transição: movimentos sociais viram ONGs que viram “terceiro setor”. Teoria e Sociedade, Belo Horizonte, v. 11, n. 1, p. 48-65, 2003.

STRECK, D. R.; ADAMS, Telmo. Lugares da participação e formação da cidadania. Civitas: Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, RS, v. 6, n. 1, p. 95-117, 2006.

______. Pesquisa participativa, emancipação e (des) colonialidade. 1. ed. Curitiba, PR: CRV, 2014.

Publicado
2015-11-24