Os (entre)laços com a terra, o lar e o lugar: topofilia e percepção ambiental de uma comunidade rural da Bahia

Palavras-chave: Topofilia, Percepção Ambiental, Comunidade rural.

Resumo

Com o aumento da constante preocupação com as questões ambientais, a percepção ambiental pretende entender a relação do ser humano com a natureza e quais condicionantes direcionam seu comportamento e suas atitudes em relação ao meio. Assim, o objetivo deste trabalho foi de compreender a percepção ambiental dos moradores da comunidade rural do Barrocão (Uruçuca, BA), identificando a relação topofílica estabelecida entre os moradores com o lugar. O estudo é uma pesquisa qualitativa, em que teve como método de coleta o uso de entrevistas semiestruturadas com os moradores, partindo de um roteiro elaborado conforme as orientações metodológicas de percepção ambiental de Whyte (1977). As entrevistas foram realizadas com 13 moradores integrantes da associação comunitária Doces e Segredos da Floresta. Os resultados revelaram que os moradores obtêm um laço afetivo com o lugar em que vivem, estando satisfeitos em morar na comunidade e indicando fatores externos como problemáticos. Constatou-se que o sentido de comunidade vai além das delimitações geográficas estabelecidas, sendo fortalecido por sentimentos coletivos compartilhados.

Biografia do Autor

Damile de Jesus Ferreira, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Mestra em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela UESC, Bahia. Especialista em Educação Ambiental pela Faculdade de Educação São Luís. Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Christiana Cabicieri Profice, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Doutora em Psicologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Mestra em Psicologia Clínica e Patológica pela Université de Paris V (René Descartes) e em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Graduada em Psicologia pela Universidade Santa Úrsula (USU). Professora da USU e de Educação Ambiental no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PRODEMA/UESC), orientando investigações em nível de mestrado.

Referências

SILVESTRO, Milton Luiz; ABRAMOVAY, Ricardo; MELLO, Márcio Antonio de; DORIGON, Clovis; BALDISSERA, Ivan Tadeu. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar. Florianópolis: Epagri, 2001.

ABRAMOVAY, Ricardo. Funções e medidas da ruralidade no desenvolvimento contemporâneo. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. [Texto para discussão n. 702]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_0702.pdf. Acesso em: 10 fev. 2018.

ALVES, José Eustáquio Diniz. Do antropocentrismo ao ecocentrismo: uma mudança de paradigma. In: MARTINE, George (Ed./Org.). População e sustentabilidade na era das mudanças ambientais globais: contribuições para uma agenda brasileira. 1. ed. Belo Horizonte: ABEP, 2012. p. 299-310.

BAGLI, Priscila. Rural e urbano: harmonia e conflito na cadência da contradição. In: SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão; WHITACKER, Arthur Magon (Ed./Org.). Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2006. p. 81-109.

BAHIA (Estado). Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Conduru. Serra Grande: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

CARVALHO, Isabel Cristina Moura. A questão ambiental e a emergência de um campo de ação político-pedagógica. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza (Ed./Org.). Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. 7. ed., São Paulo: Cortez, 2012. p. 55-69.

CASTELLO, Lineu. Repensando o lugar no projeto urbano: variações na percepção de lugar na virada do milênio (1985-2004). 2005. 435f. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2005.

COHEN, Anthony P. The symbolic construction of community. London: Tavistock, 1985.

CORREIA, Augusto Manoel. A agricultura familiar versus agricultura de subsistência no âmbito da segurança alimentar no espaço dos países da CPLP. In: Segurança Alimentar e Nutricional na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa: desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Fundação Fiocruz / Instituto de Higiene e Medicina Tropical, 2013. p. 119-33.

ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. A busca da excitação: desporto e lazer no processo civilizacional. Lisboa: Difel, 1992.

GAZOLLA, Marcio; SCHNEIDER, Sergio. A produção da autonomia: os “papéis” do autoconsumo na reprodução social dos agricultores familiares. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 89-122, 2007.

GOMES, Christiane Luce. Verbete Lazer − Ocorrência histórica. In: GOMES, Christianne Luce (Org.). Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 133-41.

GOMES, Diogo Antonio Queiroz. Análise da visitação pública no Parque Estadual da Serra do Conduru (PESC)-BA. In: CONGRESSO NORTE-NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO – CONNEPI, 7., Palmas, 19 a 21 de outubro, 2012. Anais [...]. Tocantins: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, 2012.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós‐modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo Escolar da Educação Básica 2016 – notas estatísticas. Brasília: MEC, 2017.

LE BOSSÉ, Mathias. As questões de identidade em geografia cultural – algumas concepções contemporâneas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (Org.). Paisagens, textos e identidade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004. p. 157-79.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MARIN, Elizara Carolina. O lúdico na vida. Revista Conexões, Campinas, v. 2, n. 1, p. 32-46, 2007.

MARTIGNONI, Luciano; CORONA, Hieda Maria Pagliosa. Lazer e a ruralidade contemporânea para além da racionalidade capitalista. DRd – Desenvolvimento Regional em debate, Canoinhas, v. 3, n. 1, p. 145, maio/2013.

MATOS, Marcelo Pereira. A sensibilidade do lugar: uma proposta metodológica para aplicação da percepção ambiental nos planos de emergência a derrames de óleo. Orientadora: Solange Terezinha de Lima Guimarães. 2010. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, SP, 2010.

MASSON, Ivanete. A gestão ambiental participativa: possibilidades e limites de um processo de múltiplas relações. 2004. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Florianópolis, SC, 2004.

OKAMOTO, Jun. Percepção ambiental e comportamento: visão holística da percepção ambiental na arquitetura e comunicação. São Paulo: Editora Mackenzie, 2002.

TONNIES, Ferdinand. Community and Society. Nova Iorque: Dove Publication, 2002.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

WEIDUSCHADT, Patricia. O lazer e a construção da identidade numa comunidade rural de descendentes germânicos em Pelotas. Cadernos do LEPAARQ – Textos de Antropologia, Arqueologia e Patrimônio, Pelotas, v. 6, n. 11/12, p. 22, 2009.

WHYTE, Anne. Guidelines for field studies in Environmental Perception. Technical Notes 5. Paris: UNESCO, 1977.

Publicado
2021-06-02