Cultura e turismo: imagem dos índios Tupinambá sobre Olivença

Ailson Oliveira Pinhão, Salvador D. P. Trevizan

Resumo


presente estudo tem como objetivo identificar a imagem dos índios Tupinambá sobre Olivença, municípiode Ilhéus (BA), no intuito de oferecer subsídios para um planejamento turístico ambientalmente sustentável, nasdimensões culturais e nos seus aspectos naturais. Nesse sentido, procurou-se verificar o conhecimento que os índiostêm sobre a história, o significado social, as potencialidades turísticas e a imagem mental do local. Através deentrevistas feitas a membros da comunidade indígena, evidenciou-se que, apesar das mudanças resultantes daapropriação do espaço para a especulação imobiliária, da queda do fluxo de turistas, dos impactos sobre os aspectosnaturais, econômicos e culturais do ambiente e dos problemas associados à centralização das decisões administrativas,os índios ainda se identificam com o local e alimentam um amor por ele. Isto ocorre porque a imagem que fazem dolocal está relacionada à sua história e ao elo afetivo que têm com os antepassados que ali residiram. O respeito aoimaginário indígena e às características naturais passa a ser um fator relevante a se considerar no planejamentoturístico visando o desenvolvimento local sustentável.

Palavras-chave


Planejamento turístico; Tupinambá; desenvolvimento local sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Tradução de Maria Lúcia Pereira. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, 1994.

BARBOSA, Carlos Roberto Arléo. Notícia histórica de Ilhéus. 4. ed. Itabuna, BA: Colorgraf, 2003.

BARRETTO, Margarita. Turismo e legado cultural: as possibilidades do planejamento. 2. ed. São Paulo: Papirus, 2000.

COMUNIDADE TUPINAMBÁ. Índios na visão dos índios. Salvador: Sebastián Gerlic, 2002.

COUTO, Edilece Souza. A puxada do mastro de São Sebastião: transformações históricas da festa de São Sebastião em Olivença. Ilhéus, BA: Universidade Livre do Mar e da Mata, 2001.

CRUZ, Rita de Cássia Ariza da. Introdução à geografia do turismo. 2. ed. São Paulo: Roca, 2003.

FERRARA, Lucrécia D’Alésio. Olhar periférico: informação, linguagem, percepção ambiental. São Paulo: FAPESP/EDUSP, 1999.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico de 2000. Resultado do universo relativo às características da população e dos domicílios, v. 18. Bahia.

KRIPPENDORF, Jost. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: Aleph, 2001.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1994. 662 p. (Coleção Tópicos)

_____. Textos selecionados. In: Coleção os pensadores. Tradução Marilena Chauí; Nelson A. Aguilar; Pedro de S. Moraes. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

OLIVEIRA, Lívia de. Contribuição dos estudos cognitivos à percepção geográfica. Geografia, v. 2, n. 3, 1977, p. 61-72.

RODRIGUES, Adir Balastreri. Turismo local: oportunidades para inserção. In: _____. (Org.). Turismo e desenvolvimento local. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.

SILVA, Yolanda Flores e. Pobreza, violência e crime: conflitos e impactos sociais do turismo sem responsabilidade social. In: BANDUCCI JUNIOR, Álvaro; BARRETTO, Margarita (Orgs.). Turismo e identidade local: uma visão antropológica. Campinas- SP: Papirus, 2001.

TUAN, Y-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução Lívia de Oliveira. São Paulo: Difel, 1980.

VINHAES, José Carlos. São Jorge dos Ilhéus: da capitania ao fim do século XX. Ilhéus, BA: Editus, 2001.

YÁZIGI, Eduardo. A alma do lugar. São Paulo: Contexto, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/interações.v7i11.504

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)