As múltiplas funções das festas no espaço geográfi co

Alini Nunes de Oliveira, Maria Del Carmen Matilde Huertas Calvent

Resumo


As festas, tema central do presente artigo, podem relacionar-se ao lazer, às manifestações da cultura, aosmomentos de socialização, às contribuições fi nanceiras para quem as realiza, ao sentimento de pertencimento aolugar e também como atrativo turístico. Todas essas funções devem ser discutidas na interface com o lugar em queas festas ocorrem. Serão abordadas festas em suas variadas temáticas: festas religiosas, festas gastronômicas, festascívicas e festas ligadas a tradições.

Palavras-chave


Festas. Espaço geográfico. Funções.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. “Nos requebros do Divino”: lundus e festas populares no Rio de Janeiro do século XIX. In: CUNHA, M. C. P. (Org.). Carnavais e outras f(r)estas: ensaios de história social da cultura. Campinas, SP: Editora da Unicamp/CECULT, 2002. p. 247-280.

AMARAL, R. C. M. P. Festa à brasileira: signifi cados do festejar, no país que “não é sério”. 1998. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

BEZERRA, A. C. A. Festa e cidade: entrelaçamentos e proximidades. Espaço e Cultura, UERJ, RJ, n. 23, p. 7-18, jan./jun. 2008. ______. Festa e identidade: a busca da diferença para o mercado de cidades. In: ARAUJO, F. G. B, de; HAESBAERT, R. (Orgs.). Identidades e territórios: questões e olhares contemporâneos. Rio de Janeiro: Access, 2007.

BRANDÃO, C. R. O vôo da arara-azul: escritos sobre a vida, a cultura e a educação ambiental. Campinas, SP: Armazém do Ipê, 2007.

BRAGA, A. S. R. (Coord). O. Tambores do Piqui, cartas de liberdade: memória e trajetória da comunidade Piqui da Rampa. São Luiz: Gênesis, 2007.

CALVENTE, M. C. M. H. Turismo e excursionismo rural: potencialidades, regulação e impactos. Londrina: Humanidades, 2004.

CANCLINI, N. G. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CORRÊA, R. L. Geografi a cultural: passado e futuro – uma introdução. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDAHL, Z. (Orgs.). Manifestações da cultura do espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. p. 49-58.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. DEL PRIORE, M. Festas e utopias no Brasil Colonial. SãoPaulo: Brasiliense, 2000.

FELIPE, J. L. A. Festa e poder político. Espaço e cultura, UERJ, RJ, n. 23, p. 43-52, jan./jun. 2008.

FERREIRA, L. F. O lugar festivo – a festa como essência espaço-temporal do lugar. Espaço e cultura, UERJ, RJ, n. 15, p. 7-21, jan./jun. 2003.

FERREIRA, M. N. As festas populares na expansão do turismo – a experiência italiana. São Paulo: Arte & Ciência, 2005.

GUARINELLO, N. L. Festa, trabalho e cotidiano. In: JANCSÓ, I.; KANTOR, I. (Orgs). Festa, cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Hucitec/ Edusp, 2001.

HAESBAERT, R. Identidades territoriais. In: ROSENDHAL, Z.; CORRÊA, R. L. (Orgs.). Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. p. 169-190.

HOBSBAWN, E. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

KRAAY, H. O Ritual Político e a Política dos Rituais: Festas Cívicas no Rio de Janeiro, 1823-1831. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA, 11., 2004, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UERJ, 2004. p. 1-10.

LEBRÃO, A. C. V.; HANADA, T.; BOMTEMPO, D. A cultura japonesa e a festa do ovo como atrativo turístico para o município de Bastos/SP. Revista Colloquium Humanarum, Presidente Prudente, v. 4, n. 2, p. 18-26, dez. 2007.

LEDEZMA, G. G. Religiosidade cívica na Bahia: comemorando o primeiro centenário da independência a 2 de julho de 1923. Entre a memória nacional e a memória regional. Esboços, v. 16, n. 21, p. 41-68, 2009.

LEMES, F. No arraiá do Seo Zico. Folha de Londrina, Londrina, 26 jun. 2009, Caderno Folha 2, p. 1.

MAIA, C. E. S. Vox populi vox dei: a romanização e as reformas das “festas de santo” (implicações nas práticas espaciais das festas do Divino Espírito Santo e do Divino Pai Eterno de Goiás). Espaço e cultura, UERJ, RJ, n. 17-18, p. 89-106, jan./dez. 2004.

MOURA, A. de P. Turismo e festas folclóricas no Brasil. In: FUNARI, P. P.; PINKSKY, J. (Orgs.). Turismo e patrimônio cultural. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 37-49.

PRUDENTE, H. A. A Festa do Pinhão na Estância Climática de Cunha como atributo cultural e atrativo turístico. Revista Eletrônica de Turismo Cultural, p. 1-20, 2o sem. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2009.

RIBEIRO JR., J. C. N. A festa do povo: pedagogia de resistência. Petrópolis: Vozes, 1982.

SÁ, C. N. de.; BARROCO, H. E. A quebra do cacau em Camacan: entre a labuta no campo e a diversão na cidade. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 2., 2004, Feira de Santana. Anais... Feira de Santana Universidade Estadual de Feira de Santana, 2004. p. 1-8. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2009.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

SEABRA, O. C. de L. O irredutível da festa. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 12., 2002, João Pessoa. Anais... João Pessoa, 2002. p. 1-4.

SOIHET, R. Festa da Penha: resistência e interpenetração cultural (1890-1920). In: CUNHA, M. C. P. (Org.). Carnavais e outras f(r)estas: ensaios de história social da cultura. Campinas, SP: Editora da Unicamp/CECULT, 2002. p. 341-370.

TEIXEIRA, S. A. Os recados das festas: representações e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FUNARTE/Instituto Nacional de Folclore, 1988.

VAZ, A. C. Festividades cívicas em Minas Gerais (1937- 1945): escola, culturas e práticas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 4., 2006, Goiânia. Anais... Goiânia: UCG, 2006. p. 1-9.

WESTPHALEN, C. M.; BALHANA, A. P. Lazeres e festas de outrora. Curitiba: Beija-Flor, 1983.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/interacoes.v13i1.306

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)