Colaboração e open innovation: a importância da governança colaborativa para a constituição de um ecossistema de inovação aberta em um Arranjo Produtivo Local (APL)

Cátia Raquel Felden Bartz, Jéssica Casali Turcato, Jorge Oneide Sausen, Daniel Knebel Baggio

Resumo


O presente trabalho analisa a dinâmica da colaboração e da open innovation de um Arranjo Produtivo Local (APL), da Região Noroeste do Rio Grande do Sul, pela perspectiva da governança colaborativa e da formação de um ecossistema de inovação aberta. O presente estudo enquadra-se no paradigma Humanista Social, com abordagem qualitativa, e teve 22 atores entrevistados que ocupam posição estratégica na governança. A presente pesquisa analisou a Governança Colaborativa do APL, sobre a ótica de três dimensões: 1ª dimensão: análise do processo de constituição e amadurecimento do próprio APL; 2ª dimensão: compreensão dos elementos constituidores da inovação aberta; 3ª dimensão: compreensão sobre as interações estabelecidas entre os diversos atores internos e externos ao APL, representados por seus laços fortes e fracos. Conclui-se que, apesar de existir um modelo de governança colaborativa baseado na comunicação “face to face”, compromisso com o processo e visão compartilhada, este não é capaz de fazer com que as empresas compartilhem informação referente à inovação, dificultando a classificação do APL como um ecossistema de inovação. Para estudos futuros, recomenda-se a ampliação da amostra, para que seja possível analisar e comparar a governança colaborativa, entre os diversos arranjos produtivos existentes.


Palavras-chave


articulação coletiva; colaboração; governança colaborativa; inovação; open innovation.

Texto completo:

PDF

Referências


ADNER, R. Match your innovation strategy to your innovation ecosystem. Harvard Business Review, v. 84, n. 4, p. 1-11, 2006.

ADNER, R.; KAPOOR, R. Value creation in innovation ecosystems: how the structure of technological interdependence affects firm performance in new technology generations. Strategic Management Journal, v. 31, n. 3, p. 306-33, 2010.

AGRANOFF, R. Managing collaborative performance: changing the Boundaries of the State? Public Performance & Management Review, v. 29, n. 1, p. 18-45, 2005.

AMORIM, M. A.; MOREIRA, M. V. C.; IPIRANGA, A. S. R. A construção de uma metodologia de atuação nos Arranjos Produtivos Locais (APLs) no estado do Ceará: um enfoque na formação e fortalecimento do capital social e da governança. Interações - Revista Internacional de Desenvolvimento Local, Campo Grande, MS, v. 6, n. 9, p. 25-34, set. 2004.

ANSELL, C. Collaborative governance. In: LEVI-FAUR, D. The Oxford handbook of governance. Oxford, UK: Oxford University Pres, 2012.

ANSELL, C.; GASH, A. Collaborative governance in theory and practice. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 18, n. 4, p. 543-71, 2007.

ANSELL, C.; TORFING, J. How does collaborative governance scale? Policy & Politics, v. 43, n. 3, p. 315-29, 2015.

ARANHA, J. A. S. Mecanismos de geração de empreendimentos inovadores: mudanças na organização e na dinâmica dos ambientes e o surgimento de novos atores. Brasília: Anprotec, 2016.

AUDY, J. A inovação, o desenvolvimento e o papel da Universidade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 31, n. 90, p. 75-87, maio/ago. 2017.

AUDY, J.; PIQUÉ, J. Dos parques científicos e tecnológicos aos ecossistemas de inovação: desenvolvimento social e econômico na sociedade do conhecimento. Brasília: ANPROTEC, 2016.

BALLON, P.; PIERSON J.; DELAERA S. Open innovation platforms for broadband services: Benchmarking European Practices. Proceedings of 16th European Regional Conference, Porto, Portugal, September 4-6, 2005.

BENGTSSON, M.; KOCK, S. “Coopetition” in business networks – to cooperate and compete simultaneously. Industrial Marketing Management, v. 29, p. 411-26, 2000.

BODIN, O. Collaborative environmental governance: achieving collective action in social-ecological systems. Science, v. 357, n. 6352, p. 659-68, 2017.

BOEIRA, L.; BORBA, J. Os fundamentos teóricos do capital social. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 187-93, jan./jun. 2006.

FISHER, B. B.; ZAYAS, J. M. Towards a taxonomy of firms engaged in international R&D networks: an evaluation of the Spanish participation in Eureka. Journal of Technology Management & Innovation, v. 7, n. 3, p. 121-34, 2012.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Relatórios APLs U.E. [s.d.]. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/inovacaoapls2010.br.ue/default/index/clustersue. Acesso em: 24 nov. 2018.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M.; MACIEL, M. L. Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

CHESBROUGH, H. W. The era of open innovation. Managing Innovation and Change, v. 127, n. 3, p. 34-41, 2006.

CHESBROUGH, H. W.; VANHAVERBEKE, W.; WEST, J. Open innovation researching – a new paradigm. Oxford: Oxford University Press, 2008.

COASE, R. H. The Nature of the Firm. The London School of Economics and Political Science, v. 4, n. 16, p. 386-405, 1937.

DAHLANDER, L.; GANN, D. M. How open is innovation? Research Policy, n. 39, p. 699-709, 2010.

DASÍ, J. F. Gobernanza territorial para el desarrollo sostenible: estado de la cuestión y agenda. BAGE, n. 46, 2008.

DUTILLEUL, B.; BIRRER, F. A. J.; MENSINK, W. Unpacking european living labs: abalysing innovation’s social dimensions. European Journal of Public Policy, v. 4, n. 1, p. 60-85, jul. 2010.

DYER, J.; NOBEOKA, K. Creating and managing a high-performance knowledge-sharing network: the Toyota case. Strategic Management Journal, v. 21, n. 3, p. 345-67, 2000.

EDELENBOS, J. Institutional implications of interactive governance: insights from Dutch practice. Governance, v. 18, n. 1, p. 111-34, 2005.

EMERSON, K.; NABATCHI, T.; BALOGH, S. An integrative framework for collaborative governance. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 22, n. 1, p. 1-29, 2012.

FERRÃO, J. Governança e ordenamento do território: reflexões para uma governança territorial eficiente, justa e democrática. Prospectiva e Planejamento, v. 17, p. 129-39, 2010.

FILIPPIM, E.; ROSSETO, A. (Org.). Políticas públicas, federalismo e redes de articulação para o desenvolvimento. Joaçaba, SC: UNOESC, 2008.

GASSMANN, O. Opening up the innovation process: towards an agenda. R&D Management, v. 36, n. 3, p. 223-8, 2006.

GRANOVETTER, M. S. Getting a job: a study of contacts and careers. 2. ed. Chicago: The University of Chicago Press, 1985.

GRANOVETTER, M. S. The strength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, v. 1, p. 201-33, 1983.

GRAY B. Collaborating: finding common ground for multi-party problems. San Francisco, CA: Jossey-Bass, 1989.

GUERRA, R. M. A.; TONDOLO, V. A. G.; CAMARGO, M. E. O que (ainda) podemos aprender sobre capacidades dinâmicas. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 44-64, jan./mar. 2016.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa. Madri: Tauros, 1987.

HUIZINGH, E. K. R. E. Open innovation: state of the art and future perspectives. Technovation, v. 31, n. 1, p. 2-9, 2010.

IANSISTI, M.; LEVIEN, R. Strategy as ecology. Harvard Business Review, v. 82, n. 3, p. 1-11, 2004.

IKENAMI, R. K. A abordagem “ecossistema” em teoria organizacional: fundamentos e contribuições. 2016. 153 p. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

INNES, J. E.; BOOHER, D. E. Consensus building and complex adaptive systems: a framework for evaluating collaborative planning. Journal of the American Planning Association, v. 65, n. 4, p. 412-23, 1999.

JENSEN, M.; MECKLING, W. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-60, 1976.

KAUFMAN, D. A força dos “laços fracos” de Mark Granovetter no ambiente do ciberespaço. Galáxia, São Paulo, n. 23, p. 207-18, jun. 2012.

KOOIMAN, J. (Ed.). Modern governance: new government-society interactions. [S.l.]: Sage, 1993.

LANE, P. J.; KOKA, B. R.; PATHAK, S. The reification of absorptive capacity: a critical review and rejuvenation of the construct. Academy of Management Review, v. 31, n. 4, p. 833-63, 2006.

LIMA, L. Os efeitos dos laços fracos sobre os laços fortes: uma relação entre associativismo e indicadores de capital social. Revista Três Pontos, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 47-54, 2016.

LUBIK, S.; GARNSEY, E.; MINSHALL, T.; PLATTS, K. Value creation from the innovation environment: partnership strategies in university spin-outs. R&D Management, v. 43, n. 2, p. 136-50, 2013.

LUNDVALL, B. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter, 1992. p. 1-19.

MALMBERG, A.; MASKELL, P. The elusive concept of localization economies: towards a knowledge-based theory of spatial clustering. Environment and Planning, v. 34, n. 3, p. 429-50, 2001.

MAZZUCO, E.; TEIXEIRA, C. Living labs: intermediários da inovação. Revista Eletrônica do Alto do Vale do Itajai, Ibirama, SC, v. 6, n. 9, p. 87-97, jul. 2017.

MOORE, J. The death of competition: leadership and strategy in the age of business ecosystems. Nova York: Harper Business, 1993.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OSTROM, E. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. New York: Cambridge University Press, 1990.

PETTIGREW, A.; FERLIE, E.; McKEE, L. Shaping strategic change: the case of the NHS in the 1980s. Public Money & Management, v. 12, n. 3, p. 27-31, jul. 1992.

POWELL, W. Learning from collaboration. knowledge and networks in the biotechnology and pharmaceutical industries. California Management Review, v. 40, n. 3, 1998.

PUGA, F. P. Alternativas de apoio a MPMEs localizadas em arranjos produtivos locais Rio de Janeiro: BNDES, 2003. (Texto para discussão n. 99).

RUSSEL, M. G. et al. Transforming innovation ecosystems through shared vision and network orchestration. In: TRIPLE HELIX INTERNATIONAL CONFERENCE, 9., 2011, Stanford. Anais […]. Stanford: Stanford University, H-STAR Institute Center for Innovation and Communication, 2011. p. 1-21.

SILVA, S.; BIGNETTI, L. P. A inovação social e a dinâmica de inovação aberta na Rede Brasileira de Living Labs. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 36., 2012, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, 2012.

SUZIGAN, W.; GARCIA, R.; FURTADO, J. Estruturas de governança em arranjos ou sistemas locais de produção. Gestão e Produção, São Carlos, SP, v. 14, n. 2, p. 425-39, maio/ago. 2007.

TENÓRIO, F. G. Gestão social e gestão estratégica: experiências em desenvolvimento territorial. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

VANGEN, S.; HUXHAM, C. Enacting leadership for collaborative advantage: dilemmas of ideology and pragmatism in the activities of partnership managers. British Journal of Management, v. 14, n. 1, p. 61-76, 2003.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism. New York: Free Press, 1996.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v21i1.2097

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)