Representações sociais da hanseníase: um estudo psicossocial com moradores de um antigo hospital-colônia

Ádilo Lages Vieira Passos, Ludgleydson Fernandes de Araújo

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo identificar e analisar as representações sociais da hanseníase entre os moradores de um hospital colônia. Diante dos resultados, percebeu-se que as representações sociais da doença apresentaram ideias antagônicas, pois, ainda que ancoradas, sobretudo em conteúdos relacionados à lepra, elas também evidenciaram elementos embasados no conhecimento científico e que representam a hanseníase como qualquer outra enfermidade curável.


Palavras-chave


hanseníase; hospital colônia; representações sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRIC, Jean Claude. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, Antonia Silva Paredes; OLIVEIRA, Denize Cristina de (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB, 1998. p. 27-38.

ARAÚJO, Daniella A. L.; BRITO, Karen K. G.; SANTANA, Emanuele M. F.; SOARES, Valéria L.; SOARES, Maria Júlia G. O. Caracterização da qualidade de vida de pessoas com hanseníase em tratamento ambulatorial. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental (On-line), Rio de Janeiro, v. 8, n. 4, p. 5010-6, out./dez. 2016.

BARRETO, Jubel; GASPARONI, Jéssica M.; POLITANI, André L.; REZENDE, Lorena M. de; EDILON, Tainah S.; FERNANDES, Victor G.; LIMA,Vinícius M. Hanseníase e estigma. Hansenologia Internationalis, Bauru, SP, v. 38, n. 1-2, p. 14-25, 2013.

BLANCO CÓRDOVA, Carlos Alberto; CANGAS GARCIA, Teresa.  Lepra: impacto psicossocial. Enfermería Global, Murcia, Espanha, v. 11, n. 25, p. 287-98, jan. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sintomas. [s.d.]. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase . Acesso em: 15 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. O que é hanseníase? [s.d.]. Disponível em: http://saude.gov.br/saude-de-a-z/hanseniase. Acesso em: 14 jan. 2020.

CAMARGO, Brígido Vizeu; JUSTO, Ana Maria. Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEC. Florianópolis, Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição (LACCOS), Universidade Federal de Santa Catarina, 2016.

CASTRO, Selma Munhoz Sanches de; WATANABE, Helena Akemi Wada. Isolamento compulsório de portadores de hanseníase: memória de idosos. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 449-87, abr./jun. 2009.

CHAVES, Antonio Marcos; SILVA, Priscila Lima. Representações sociais. In: CAMINO, Leôncio et al. (Org.). Psicologia social: temas e teorias. Brasília: Technopolitik, 2011. p. 299-350.

EIDT, Letícia Maria. Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 76-88, maio/ago. 2004.

FONSECA, Cláudia. Sexualidade, gênero e afeto nos hospitais-colônias de hanseníase. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 41, p. 29-40, abr. 2013. 

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Representações sociais, ideologia e desenvolvimento da consciência. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 121, p. 169-86, jan./abr. 2004.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUerj, 2001. p. 17-44.

LAHLOU, Saadi. Difusão das representações e inteligência coletiva distribuída. In: ALMEIDA, Angela Maria Oliveira.; SANTOS, Maria de Fátima de Souza.; TRINDADE, Zeidi Araújo (Org.). Teoria das representações sociais: 50 anos. Brasília: Scribd, 2014. p. 77-130.

LEITE, Soraia Cristina Coelho; SAMPAIO, Cristina Andrade; CALDEIRA, Antônio Prates. “Como ferrugem em lata velha”: o discurso do estigma de pacientes institucionalizados em decorrência da hanseníase. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 121-38, mar. 2015.

LINS, Anete Umbelina Ferreira de Almeida. Representações sociais e hanseníase em São Domingos do Capim: um estudo de caso na Amazônia. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 171-94, 2010.

MONTE, Raquel Santos; PEREIRA, Maria Lúcia Duarte. Hanseníase: representações sociais de pessoas acometidas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 16, n. 6, p. 863-71, nov./dez. 2015. 

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MUNIZ, Lucas da S.; AMARAL, Irmara Géssica S.; DIAS, Thiago da S.; RODRIGUES JÚNIOR, Jorge L. The influence of assistive technology on occupational performance and satisfaction of leprosy patients with grade 2 disabilities. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, MG, v. 49, n. 5, p. 644-7, set./out. 2016.

OLIVEIRA, Maria Leide W.; MENDES, Carla Maria.; TARDIN, Rachel T.; CUNHA, Mônica D.; ARRUDA, Angela. Social representation of Hansen’s disease thirty years after the term ‘leprosy’ was replaced in Brazil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 10, (suplemento 1), p. 41-8, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Estratégia global para hanseníase 2016-2020: aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. Genebra: World Health Organization, 2016. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/208824/9789290225201-pt.pdf. Acesso em: 2 jan. 2018.

PALMEIRA, Iací Proença; QUEIROZ, Ana Beatriz Azevedo; FERREIRA, Márcia de Assunção. Marcas em si: vivenciando a dor do (auto) preconceito. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 66, n. 6, p. 893-900, nov./dez. 2013.

PALMEIRA, Iací Proença; QUEIROZ, Ana Beatriz Azevedo; FERREIRA, Márcia de Assunção. Quando o preconceito marca mais que a doença. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 6, n. 3, p. 187-99, 2012.

QUEIROZ, Tatiane A.; CARVALHO; Francisca P. B. de; SIMPSON, Clélia A.; FERNANDES, Amélia C. L.; FIGUEIRÊDO, Débora L. de A.; KNACKFUSS, Maria Irany. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes em reação hansênica. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 36, número especial, p. 185-91, 2015.

RIVERO REYES, Eduardo. Lepra: asunto de preocupación de salud mundial. Revista de Ciencias Médicas La Habana, Havana, v. 19, n. 3, p. 421-32, 2013.

SALES, Jaqueline Carvalho e Silva et al. O significado da hanseníase para o agente comunitário de saúde. Revista Interdisciplinar, Teresina, v. 6, n. 1, p. 17-24, jan./mar. 2013.

SANTOS, Allan D.; SANTOS, Márcio B.; BARRETO, Aline S.; CARVALHO, Denis da S.; ALVES, José Antonio B.; ARAÚJO, Karina C. G. M. de. Análise espacial e características epidemiológicas dos casos de hanseníase em área endêmica. Revista de Enfermagem UFPE on-line, Recife, v. 10, (suplemento 5), p. 4188-97, nov. 2016. 

SANTOS, Karen da S.; FORTUNA, Cinira M.; SANTANA, Fabiana R.; GONÇALVES, Marlene F. C.; MARCIANO, Franciele M.; MATUMOTO, Silvia. Significado da hanseníase para pessoas que viveram o tratamento no período sulfônico e da poliquimioterapia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 23, n. 4, p. 620-7, jul./ago. 2015. 

SILVEIRA, Iolanda Ruthes; SILVA, Paulo Roberto da. As representações sociais do portador de hanseníase sobre a doença. Saúde Coletiva, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 112-7, 2006.

SILVEIRA, Mariana G. B.; COELHO, Adilson R.; RODRIGUES, Suely Maria; SOARES, Marina M.; CAMILLO, Gustavo N. Portador de hanseníase: impacto psicológico do diagnóstico. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 26, n. 2, p. 517-27, 2014.  

SIMPSON, Clélia A.; MIRANDA, Francisco A. N. de; MENESES, Rejane M.; CARVALHO, Icléia H. da S.; CABRAL, Ana Michele de F.; SANTOS, Vivianne R. C. dos. No habitus do antigo hospital colônia − representações sociais da hanseníase. Revista Online de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 104-13, jul./set. 2013. 

SOUZA, Janice Fabiana Maia de; SENA, Teresa Christina da Cruz Bezerra de. O envelhecer institucionalizado de sujeitos sequelados pela Hanseníase da U/E Abrigo João Paulo II. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 103-23, mar. 2014.

VALA, Jorge. Representações sociais e psicologia social do conhecimento quotidiano. In: VALA, Jorge; MONTEIRO, Maria Benedicta (Org.). Psicologia social. 7. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006. p. 187-225.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Global leprosy update, 2014: time for action accountability and inclusion. Weekly Epidemiological Record, Geneva, v. 91, n. 35, p. 405-20, set. 2016. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/249601/1/WER9135.pdf. Acesso em: 20 dez. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Global leprosy update, 2014: need for early case detection. Weekly Epidemiological Record, Geneva, v. 90, n. 36, p. 461–76. set. 2015. Disponível em: http://www.who.int/wer/2015/wer9036.pdf?ua=1 . Acesso em: 22 dez. 2017.

ZAMPARONI, Valdemir. Lepra: doença, isolamento e segregação no contexto colonial em Moçambique. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 13-39, jan./mar. 2017. 




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v21i1.1944

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)