Arrendamento de terras e agricultura familiar na região meio oeste de Santa Catarina

Ana Cecília Guedes, Ademir Antonio Cazella

Resumo


Este artigo analisa o arrendamento de terras, com ênfase nas diferentes relações entre agricultores familiares. Teoricamente articula as noções de ciclo de vida familiar de Chayanov (1899/1974) e de mobilidades substanciais de Shanin (1983). A metodologia consistiu em entrevistas com agricultores e proprietários de terras do oeste catarinense. O arrendamento de terras amplia os negócios agropecuários de parcela de agricultores familiares e está associado à aposentadoria rural de outra parcela. 

Palavras-chave


ontratos agrários; acesso à terra; ciclo de vida; desenvolvimento rural.

Texto completo:

PDF

Referências


AURAS, M. Guerra do contestado: a organização da irmandade cabocla. 1. ed. Florianópolis: Cortez, 1995.

ALMEIDA, P.J; BUAINAIN, M.A. Os contratos de arrendamento e parceria no Brasil. Rev. direito GV vol.9 no.1 São Paulo Jan./Jun 2013.

BAVARESCO, P, R. Ciclos econômicos regionais: modernização e empobrecimento no Extremo Oeste catarinense. 1. ed. Chapecó: Argos, 2005.

BRASIL. Ministério da Reforma e do Desenvolvimento Agrário. Estatuto da Terra. Lei nº. 4.504, de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra e dá outras providências. Brasília: MIRAD, 1985.

CASTRO, L. F. P. Dimensões e lógicas do arrendamento rural na agricultura familiar: um estudo de caso. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, Maringá, PR, v. 10, n. 2, p. 437-57, abr./jun. 2017.

CARNEIRO, M. J. O Ideal Rurbano: campo e cidade no imaginário de jovens rurais. In: SILVA, F. C. T.; SANTOS, R.; Costa, L. F. C. (Org.). Mundo rural e política: ensaios interdisciplinares. 1. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

CARVALHO, H. M. O campesinato no século XXI: possibilidades e condicionantes do desenvolvimento do campesinato no Brasil. 1. ed.  Petrópolis: Vozes, 2004.

CAZELLA, A. A.; CAPELLESSO, A. J.; MEDEIROS, M.; TECCHIO, A.; SENCÉBÉ, Y.; BÚRIGOL, F. L. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil: o dilema entre inclusão produtiva e assistência social. Revista Política e Sociologia, Florianópolis, v. 15, n. 37, p. 49-79. set. 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2016v15nesp1p49. Acesso em: 12 de março de 2017.

CHAYANOV, A. V. La organización de la unidad económica campesina. 2. ed. Buenos Aires: Nueva Visión, 1974.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. FUNAI, 2011.  Disponível em: https://terrasindigenas.org.br/es/terras-indigenas/3906. Acesso em: 11 de janeiro de 2017.

GODOI, T. G. Dilemas e perspectivas da sustentabilidade nas políticas de crédito para a agricultura familiar: estudo de caso no território do Meio Oeste Contestado (SC). Orientador: 2014. 126 p. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. Perfil da Agricultura Familiar no Brasil: dossiê estatístico. Brasília: INCRA, 2011.

MARX, K. Carta a K. Schmidt. In: MARX, K.; ENGELS, F. A comuna de Paris. Belo Horizonte: Aldeia Global, 1979.

MASCARENHAS, G. A. Consórcios públicos e arranjos institucionais de desenvolvimento territorial no meio oeste contestado: cooperação ou competição? Orientador: 2015. 148 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas e Sociais) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2015.

MATTE, A.; CHECHI, L.; BOSCARDIN, M.; SPANEVELLO, R. M. ; ANDREATTA, T. Fatores condicionantes a permanência ou saída dos filhos em propriedades de agricultura e pecuária familiar no Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 52., 2014, Goiânia. Anais [...]. Goiânia: Sober, 2014. p. 1-14.

NEUMANN, P. S. O impacto da fragmentação e do formato das terras nos sistemas familiares de produção. Orientador: Carlos Loch. 2003. 326 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2003.

NODARI, E. S. Etnicidades renegociadas: práticas socioculturais no oeste de Santa Catarina. 1 ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2009.

SHANIN, T. La clase incómoda: sociología política del campesinado en una sociedad en desarrollo (Rússia 1910-1925). Versión Española de Fernando Andrada Tápia. 3. ed. Madri: Alianza, 1983.

SCHNEIDER, S. A Pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: Ed. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

TECCHIO, A. Políticas públicas de desenvolvimento territorial e superação da pobreza no meio rural brasileiro: estudo de caso no território Meio Oeste Contestado (SC). Orientador: Ademir Antonio Cazzela 2012. 183f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2012.

WANDERLEY, M. N. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: TEDESCO, João Carlos (org.). Agricultura familiar: realidades e perspectivas. 1Ed. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo, 2000.

WOORTMANN, K. O modo de produção doméstico em duas perspectivas: Chayanov e Sahlins. Revista Habitus, Brasília, v. 2, n. 293, p. 93-131, mar. 2001.

 




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v20i4.1877

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)