A heterogeneidade e o pluralismo do institucionalismo: uma contribuição para o debate

Fábio Melges, Leonardo Francisco Figueiredo Neto, Élcio Gustavo Benini

Resumo


O objetivo deste trabalho foi apontar alguns pontos de convergência e divergência entre alguns autores consagrados no campo do institucionalismo que analisaram o papel das instituições na sociedade e sua evolução ao longo do tempo. Especificamente, procura identificar como a natureza, o funcionamento e a evolução das instituições são retratados. Trata-se de uma pesquisa teórica, tendo como campo de análise a seleção de textos recorrentes no (neo) institucionalismo.


Palavras-chave


institucionalismo; instituições; desenvolvimento econômico; ambiente institucional.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, P. F. Nova economia institucional: referencial geral e aplicações para a agricultura. Agricultura em São Paulo, São Paulo, v. 47, n. 1, p. 33-52, jan./jun. 2000.

BOCK, R.; ALMEIDA, F. A evolução do institucionalismo vebleniano. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA - ANPEC, 44., 13 a 16 dez. 2016. Foz do Iguaçu. Anais […]. Foz do Iguaçu: ANPEC, 2016. Disponível em: https://www.anpec.org.br/encontro/2016/submissao/files. Acesso em: 4 jan. 2018.

COASE, R. H. The Nature of firm. Economica, v. 4, n. 16, p. 386-405, nov. 1937. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1468 0335.1937. Acesso em: 14 de mar. 2017.

COASE, R. H. The new institutional economics. The American Economic Review, v. 88, n. 2, p.72-4, maio 1998.

COMMONS, J. R. Institutional economics. American Economic Review, v. 21, p. 648-57, 1931. Disponível em: https://econpapers.repec.org/article/hayhetart/commons1931.htm. Acesso em: 5 de set. 2017.

CONCEIÇÃO, O. A. C. A contribuição das abordagens institucionalistas para a constituição de uma teoria econômica das instituições. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 77-106, 2002.

CONCEIÇÃO, O. A. C. Os antigos, os novos e os neo-institucionalistas: há convergência teórica no pensamento institucionalista? Análise Econômica, Porto Alegre, v. 19, n. 36, p. 25-46, 2001.

DIMAGGIO, P.; POWELL, W. W. Introduction. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. (Org.). The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: University of Chicago Press, p. 1-38, 1991.

EASTON, D. The new revolution in political science. American Political Science Review, v. 63, n. 3, p. 1051-61, dez. 1969. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/i333639. Acesso em: 15 fev. 2017.

FARIA, L. A. E. As formas institucionais de estrutura: do micro ao macro na teoria da regulação. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 187-204, 2001.

FARINA, M. M. Q.; AZEVEDO, P. F.; SAES, M. S. M. Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Singular, 1997.

GOMES, F. G. A nova economia institucional (NEI) e o (sub) desenvolvimento econômico brasileiro: limites e impossibilidades de interpretação. In: SEP – ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, 9., 2004. Uberlândia. Anais [...]. Uberlândia: UFU, 2004. [1 CD-ROM].

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. Political science and the three new institucionalisms. Political Studies, Oxford, v. 44, n. 5, p. 936-57, dez. 1996. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1467-9248.1996. Acesso em: 5 mar. 2017.

HAMILTON, W. H. Institution. In: SELIGMAN, E. R. A.; JOHNSON, A. (Ed.). Encyclopedia of the social sciences. New York: Macmillan, v. 4, n. 73 8, p 560-95, 1932. Disponível em: https://archive.org/details/encyclopaediaoft030467mbp. Acesso em 9 de mar. 2017.

HODGSON, G. M. John R. Commons and the foundations of institutional economics. Journal of Economic Issues, v. 37, n. 3, p. 547-76, set. 2003.

HODGSON, G. M. The approach of institutional economics. Journal of Economic Literature, v. 36, n.1, p. 166-92, mar. 1998.

HODGSON, G. M. What are institutions? Journal of Economic Issues, v. 40, n. 1, p. 1-25, mar. 2006.

IMMERGUT, E. O núcleo teórico do novo institucionalismo. In: SARAIVA, E.; FERRAREZI, E. (Org.). Políticas Públicas. Brasília: ENAP, 2006. p. 155-95. (Coletânea, v. 1).

LAWSON, T. Should Economics Be an Evolutionary Science? Veblen’s Concern and Philosophical Legacy. Journal of Economic Issues, v. 36, n. 2, p. 279-92, jun. 2002.

LOPES, H. C. Instituições e crescimento econômico: os modelos teóricos de Thorstein Veblen e Douglas North. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 33, n. 4, p. 619-37, dez. 2013.

NORTH, D. C. Five propositions about institutional change. In: NORTH, D. C. Explaining Social Institutions. Ann Arbor: Michigan Universiy Press, 1993. p. 15-26. Disponível em: http://129.3.20.41/eps/eh/papers/9309/9309001.pdf. Acesso em: 26 jun 2017.

NORTH, D. C. Institutions. Journal of Economic Perspectives, v. 5, n. 1, p. 97-112, 1991.

NORTH, D. C. La evolucion histórica de las formas de gobierno. Revista Economia Institucional, Bogotá, v. 2, n. 2, p. 133-48, jun. 2000. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/419/41900207.pdf. Acesso em: 2 abr. 2017.

NORTH, D. C. Markets and other allocation systems in history: the challenge of Karl Polanyi. Journal of European Economic History, v. 6, n. 3, p. 703-16, 1977. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2687864. Acesso em: 15 mar. 2017.

OSTROM, E.; AHN, T. K. The meaning of Social Capital and its link to collective action, out. 2007. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.472.3769&=pdf. Acesso em: 28 out. 2017.

PERES, P. S. Comportamento ou instituições? A evolução histórica do neo-institucionalismo da ciência política. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 23, n. 68, p. 59-71, out. 2008.

SAMUELS, W. The present state of institutional economics. Cambridge Journal of Economics, v. 19, n. 4, p. 569-90, ago. 1995. Disponível em: https://academic.oup.com/cje/article-abstract/19/4/569/1687117. Acesso em: 8 fev. 2017.

SILVA, V. L. Fundamentos do institucionalismo na teoria social de Thorstein Veblen. Política e Sociedade. Florianópolis, v. 9, n. 17, p. 289-322, out. 2010.

SLANGEN, L. H. G.; LOUCKS, L. A.; SLANGEN, A. H. L. Institutional economics and economic organization theory: an integrated approach. Netherlands: Wageningen, 2008, 430 p.

THELEN, K.; STEINMO, S. Historical institutionalism in comparative politics. In: THELEN, K.; STEINMO, S.; LONGSTRETH, F. (Org.) Structuring Politics: historical institutionalism in comparative analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1992. Disponível em: http://www.sidalc.net/cgi-bin/wxis.exe. Acesso em: 7 mar. 2017.

THERET, B. As instituições entre as estruturas e as ações. Lua Nova, São Paulo, n. 58, p. 225-54, 2003.  

VALIATI, L.; FONSECA, P. C. Institutions and culture: Thorstein Veblen’s and Pierre Bordieu’s economic thought in dialogue. Iberian Journal of the History of Economic Thought, v. 1, n. 1, 1-17, 2014.

VEBLEN, T. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural, 1987. 181p. [1ª edição em inglês, 1899].

VEBLEN, T. The limitations of marginal utility. Journal of Political Economy, v. 17, n. 9, 1909. Disponível em:  http://www.jstor.org/stable/10.2307/1822146. Acesso em: 5 jan. 2017.

VEBLEN, T. The theory of business enterprise. New York: Charles Scribner´s Sons, 1904. Disponível em: https://www.taylorfrancis.com/books/978135130247. Acesso em: 22 fev. 2017.

VEBLEN, T. Why is economics not an evolutionary science? The Quarterly Journal of Economics, v. 12, n. 4, p. 373-97, 1898. Disponível em: https://academic.oup.com/qje/article-abstract/12/4/373/1918632. Acesso em: 10 mar. 2017.

WILLIAMSON, O. E. The new institutional economics: taking stock, looking ahead. Journal of Economic Literature, v. 38, n. 3, p. 595–613, feb. 2000. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/abca/15e9c26e155ccf2313d1b8504a7afe7fa9a8.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

WILLIAMSON, O. E. Comparative economic organization: the analysis of discrete structural alternatives. Administrative Science Quarterly, v. 36, n. 2, p. 269-96, jun. 1991. https://www.jstor.org/stable/2393356. Acesso em: 15 dez. 2016.

WILLIAMSON, O. E. Corporate governance and corporate finance. Journal of Finance, v. 43, n. 3, p. 567-91, jul. 1988. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/i340139. Acesso em: 15 dez. 2016.

WILLIAMSON, O. E. The economics of organization: the transaction cost approach. American Journal of Sociology, v. 87, n. 3, p. 548-77, nov. 1981. Disponível em: https://doi.org/10.1086/227496. Acesso em: 15 dez. 2016.

ZANELLA, C.; GONÇALVES LOPES, D.; SILVA LEITE, A. L.; NUNES, N. A. Conhecendo o campo da economia dos custos de transação: uma análise epistemológica a partir dos trabalhos de Oliver Williamson. Revista de Ciências da Administração, Florianópolis, v. 17, n. 42, p. 64-77, ago. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v20i2.1851

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)