Construção de redes e agroecologia: o papel dos atores sociais no desenvolvimento rural

Filipe Augusto Xavier Lima

Resumo


Este trabalho identifica e analisa os padrões de interação entre atores sociais e o caráter específico que eles imprimem em dinâmicas de desenvolvimento rural pautadas na Agroecologia. Para isso, elegeu-se uma análise comparativa entre dois casos de transição agroecológica no estado de Pernambuco, que demonstra que é possível identificar fatores que qualitativamente produzem diferenças entre casos concretos, e que tais fatores podem levar a dinâmicas mais ou menos sustentáveis no tempo.


Palavras-chave


agricultores; assentamento rural; transição agroecológica.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. 3. ed. rev. ampl. São Paulo: Expressão popular; Rio de Janeiro: AS-PTA, 2012.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia: alguns conceitos e princípios. Brasília: MDA/SAF/DATER-IICA, 2007.

CASTELLS, M. O poder da identidade. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

CASTILLA, E. J.; HWANG, H.; GRANOVETTER, E.; GRANOVETTER, M. Social networks in Silicon Valley. In: MOON LEE, C.; MILLER, W. F.; HANCOCK, M. G.; ROWEN. H. S. (Ed.). The Silicon Valley edge: a habitat for innovation and entrepeneurship. San Francisco: Stanford University, 2000.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

COSTABEBER, J. A.; GARRIDO, F.; MOYANO, E. Ação coletiva e transição agroecológica: uma análise de experiências associativas em agricultura ecológica. In:  WORLD CONGRESS OF RURAL SOCIOLOGY, 10., 30 jul./5 ago. 2000, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: IRSA, 2000. p. 1-13.

CROZIER, M.; FRIEDBERG, E. L’acteur et le système. Paris: Le Seiul, 1977.

GEILFUS, F. 80 herramientas para el desarrollo participativo: diagnóstico, planificación monitoreo y evaluación. San José: IICA, 2009.

GOMES, J. C. C.; BORBA, M. F. S. Limites e possibilidades da Agroecologia como base para sociedades sustentáveis. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 29, p. 5-14, jul./dez. 2004.

GRANOVETTER, M.; SWEDBERG, R. The Sociology of Economic Life. 3. ed. Boulder, CO: Westview Press, 2011.

OSTROM, E. A behavioral approach to the rational-choice theory of collective action. American Pollitical Science Review, v. 92, n. 1, mar. 1998.

SCHMITT, C. J. Redes, atores e desenvolvimento rural: perspectivas na construção de uma abordagem relacional. Sociologias, Porto Alegre, ano 13, n. 27, maio/ago. 2011, p. 82-112.

RADOMSKY G, F. W. Reciprocidade, redes sociais e desenvolvimento rural. In: SCHNEIDER S. (Org.). A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

SABOURIN, E. Práticas sociais, políticas públicas e valores humanos. In: SCHNEIDER S. (Org.) A diversidade da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

SCHULTZ, G. Relações com o mercado e (re) construção das identidades socioprofissionais na agricultura orgânica. In: SCHNEIDER, S.; GAZOLLA, M. (Org.). Os atores do desenvolvimento rural: perspectivas teóricas e práticas sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v0i0.1696

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)