Disseminação do ódio nas mídias sociais: análise da atuação do social media

Marluci Stein, Cristine Hermann Nodari, Julice Salvagni

Resumo


Neste artigo, aborda-se a disseminação do ódio nas mídias sociais sob o ponto de vista de quem gerencia as plataformas na web. Em um estudo de caso com entrevista semiestruturada de sete profissionais, analisou-se como os responsáveis por administrar páginas na internet agem diante de comentários negativos que incitem o ódio. Os resultados apontaram conteúdos mais suscetíveis e o desconhecimento dos profissionais quanto a regras específicas na hora de interagir com haters e usuários. 


Palavras-chave


mídias sociais; ódio; internet; cibercultura; interatividade.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, A.; MONTEIRO, C. “Esses Roquero não curte”: performance de gosto e fãs de música no Unidos Contra o Rock do Facebook. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 446-71, maio/ago. 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de L. de A. Rego e A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2006.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013.

______. A sociedade em rede - a era da informação. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2012. v. 1.

______. Comunicació i poder. Barcelona: UOC Editorial, 2009.

______. Comunicação, poder e contra-poder na sociedade em rede. Jornal Internacional de Comunicação, v. 1, n. 1, p. 29, 2007.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Tradução de L. de O. Rocha. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DAHLGREN, P. The internet, public spheres and political communication: dispersion and deliberation. Political Communication, New York, v. 22, n. 2, p. 147-62, 2005.

DEGENNE, A.; FORSÉ, M. Les réseaux sociaux: une analyse structurale en sociologie. Paris: Henri Mendras, 1994.

ECO, Umberto. Número zero. Rio de Janeiro: Record, 2015.

ERICKSON, F. Métodos cualitativos de investigación. In: WITTROCK, M. C. La investigación de la ensenanza, II. Barcelona/Buenos Aires/Mexico: Paidos, 1989. p. 195-299.

FENTON, Natalie. The Internet and Radical Politics In: CURRAN, J.; FENTON, N.; FREEDMAN, D. Misundestanding the internet. New York: Routledge, 2012.

FISS, Owen M. A ironia da liberdade de expressão: estado, regulação e diversidade na esfera pública. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

GASKELL, George. “Entrevistas individuais e grupais”. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 2. ed. Tradução de Pedrinho Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. p. 64-89.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GOFFMANN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOSCIOLA, Vicente. Roteiro para as novas mídias. Do cinema às mídias interativas. São Paulo: Senac, 2003.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador: Edufba; Bauru, SP: Edusc, 2012.

______. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

LEÃO, Lucia. O labirinto da hipermídia: arquitetura e navegação no ciberespaço. 2. ed. São Paulo: Iluminuras/FAPESP, 2001.

LE BON, Gustave. Psicologia das multidões. [S.l.]: Mem-Martins, Europa América, 1895. Título original “La Psychologie des Foules”.

LEBRUN, J. P. O futuro do ódio. Porto Alegre: CMC, 2008.

LEMOS, André. Espaço, mídia locativa e teoria ator-rede. Galáxia, São Paulo, v. 13, n. 25, p. 52-68, 2013.

______. Anjos interativos e retribalização do mundo: sobre interfaces digitais. 1997. Disponível em: <http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/interativo.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2016.

LUECKE, Richard. Gerenciando a crise. Rio de Janeiro: Record, 2010.

MALINI, Fábio; ANTOUN, Henrique. A internet e a rua: ciberativismo e mobilização nas redes sociais. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MARTELETO, Regina Maria. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da informação, v. 30, n. 1, p. 71-81, 2001.

MEYER-PFLUG, Samantha Ribeiro. Liberdade de expressão e discurso do ódio. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

MOCELLIM, Alan. Lugares, não-lugares, lugares virtuais. Em Tese, Florianópolis, v. 6, n. 3, p. 77-101, jan./jul. 2009.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1978.

PEREIRA, Gustavo. Os 3 estágios das mídias sociais. Porto Alegre: Dinamize, 2011.

PRIMO, Alex. Interação mediada por computador: comunicação, cibercultura, cognição. Porto Alegre: Sulina, 2007.

______. Interação mútua e reativa: uma proposta de estudo. Revista da Famecos, n. 12, p. 81-92, jun. 2000. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/limc/PDFs/int_mutua_reativa.pdf>. Acesso em: 12 maio 2016.

RECUERO, Raquel. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2012.

______. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SALAVERRÍA, Ramón; NEGREDO, Samuel. Periodismo integrado. Convergencia de medios y reorganización de redacciones. Barcelona: Editorial Sol90, 2008.

SOLOVE, Daniel J. O futuro da reputação: fofocas, rumor, e privacidade na internet. New Haven, Connecticut, EUA: Yale University Press, 2007.

TEIXEIRA, Patrícia Brito. Caiu na rede. E agora? Gestão e gerenciamento de crises nas redes sociais. Digitaliza Conteúdo, 2013.

______. Sociedade do risco na sociedade da informação: gestão e gerenciamento de crise nas redes sociais. In: CONGRESSO CIENTÍFICO BRASILEIRO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E DE RELAÇÕES PÚBLICAS (ABRAPCORP), 5., 5-7 maio 2011, São Paulo. Anais...  São Paulo: Editora Schoba, 2011. Disponível em <http://www.abrapcorp.org.br/anais2011/trabalhos/trabalho_patricia.pdf>. Acesso em: 15 maio 2016.

VASCONCELOS, Luciene Ricciotti. Planejamento de comunicação integrada: manual de sobrevivência para as organizações do século XXI. São Paulo: Summus Editorial, 2009.

WOLTON, Dominique. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010.

YIN, Robert K. Estudo de caso – planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v19i1.1535

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)