Cultura da inovação e racionalidade econômica no universo do pequeno empreendimento

Antonia Colbari

Resumo


A análise da implantação do projeto Agentes Locais de Inovação descortinou dimensões relevantes relativas à elasticidade do conceito de inovação, aos desafios do aprendizado de práticas inovadoras e aos resultados de uma intervenção qualificada no âmbito dos pequenos empreendimentos, com vistas a facilitar a sua inserção sustentável nas dinâmicas locais de desenvolvimento.


Palavras-chave


Cultura da inovação. Agentes de inovação. Micro e pequena empresa.

Texto completo:

PDF

Referências


ARBIX, G. Estratégias de inovação para o desenvolvimento. Tempo Social, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 167-185, nov. 2010.

BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H. Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE: cultura do empreendedorismo e inovação. Bachmann & Associados, Curitiba, 2008. Disponível: em:  <http://www.bachmann.com.br/website/documents/ArtigoGraudeInovacaonasMPE.pdf>.  Acesso em: 02 out. 2013.

BESANKO, D.; DRANOVE, D.; SHANLEY, M. Economics of Strategy. NewYork: Wiley, 2000.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRITO, E. P. Z.; BRITO, L. A. L.; MORGANTI, F. Inovação e o desempenho empresarial: lucro ou crescimento? RAE-eletrônica, São Paulo, v. 8, n. 1, jan./jun. 2009. Disponível em: <http://rae.fgv.br/rae-eletronica/vol8-num1-2009/inovacao-desempenho-empresarial-lucro-ou-crescimento>. Acesso em: 13 jun. 2013.

CAMPOS, F. L. S. Sistema nacional de inovação, produtos e dinâmica tecnológica: uma abordagem neo-schumpeteriana. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO, 4., 2003, Gramado, RS. Anais... Gramado, 2003.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, M. H.; MACIEL, M. L. (Org.). Conhecimento, sistema de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ/Contraponto, 2005.

CHENEY, P. K.; DEVINNEY, T.; WIRIER, R. S. The impact of new product introductions on the market value of firms. The Journal of Business, v. 64, n. 4, p. 573-610, 1991.

COLBARI, A. Agentes de Desenvolvimento e Agentes de Inovação: a integração dos pequenos empreendimentos às dinâmicas socioeconômicas locais. In: DALLA COSTA, A.; ETCHEVERRY, M. S.; GROS, D. B.; MINELLA, A. C.; IGLECIAS, W. (Org.). Desenvolvimento e crise na América Latina: estado, empresas e sociedade. Curitiba: Editora CRV, 2012. p. 91-112.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Agenda Legislativa da Indústria 2012. Brasília: [s.n.], 2012. Disponível em: <www.cni.org.br>. Acesso em: 20 maio 2012.

______. Políticas públicas de inovação no Brasil: a agenda da indústria. Confederação Nacional da Indústria. Brasília: [s.n.], 2005.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS (CNM); SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Manual de desenvolvimento dos municípios. Brasília: CNM/SEBRAE, 2011.

DIAZ-ISENRATH, M. C. Máquinas de pesquisa: o estatuto do saber no capitalismo informacional. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade de Campinas, Campinas, 2008.

DUBAR, C. A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

FONTENELLE, I. A. Para uma crítica ao discurso da inovação: saber e controle no capitalismo do conhecimento. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 52, n. 1, p. 100-108, jan./fev. 2012.

______. Pós-modernidade: trabalho e consumo. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

GRANOVETTER, M. Small is Bountiful: Labor Markets and Establishment. American Sociological Review, Washington, DC, v. 49, n. 3, p. 323-334, jun. 1984.

GUIMARÃES, S. K. Empreendedorismo intensivo em conhecimento no Brasil. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 63, p. 575-591, set./dez. 2011.

HALL, B. H. The relationship between firm size and firm growth in the US manufacturing sector. The Journal of Industrial Economics, Wiley Blackwell, v. 35, n. 4, p. 583-606, jun. 1987.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Brasil em desenvolvimento 2011: Estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: IPEA, 2012.

LUNDVALL, B. Políticas de Innovación en la economia de aprendizaje. Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo, Buenos Aires, ano 8, n. 16, p. 117-138, jan./dez. 2003.

MACIEL, M. L. Ciência, tecnologia e inovação: a relação entre tecnologia e desenvolvimento. BIB, São Paulo, n. 54, p. 67-82, jun./dez. 2002.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (MDIC). Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, nov. 2007.

NARETTO, N.; BOTELHO, M. R.; MENDONÇA, M. A trajetória das políticas públicas para pequenas e médias empresas no Brasil: do apoio individual ao apoio a empresas articuladas em arranjos produtivos locais. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, v. 27, p. 61-115, jun./dez. 2004.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO (OCDE); FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP). Manual de Oslo. Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. Brasília: OCDE/FINEP, 2004.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

SALERNO, M. S.; KUBOTA, L. C. Estado e Inovação. In: NEGRI, J. A.: KUBOTA, L. C. (Org). Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica. Brasília: IPEA, 2008.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. São Paulo: Edusp, 2004. [1979].

SCHUMPETER, J. A. A Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE); Universidade Corporativa (UCSEBRAE). Unidade Temática 2. O Sebrae e o agente local de inovação: uma contextualização. Guia do educador. Brasília: Sebrae, 2011.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS-ES (SEBRAE-ES). Apresentação dos dados finais do projeto ALI-ES elaborado a partir da comparação entre os Diagnósticos de Inovação. Vitória: Sebrae-ES, 2012.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS-SP (SEBRAE-SP). Inovação e competitividade nas MPEs brasileiras. São Paulo: Sebrae-SP, set. 2009.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE); DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONOMICOS (DIEESE). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2012. 5. ed. Brasília, DF: SEBRAE/DIEESE, 2012. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/estudos-e-pesquisas>. Acesso em: 10/12/2012.

SOBRAL, F. A. F. Novos horizontes para a produção científica e tecnológica. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 63, p. 519-534, set./dez. 2011.

THRIFT, N. The rise of soft capitalism. Cultural Values, London, v. 1, n. 1, p. 25-71, Mar., 1997.

______. Knowing capitalism. London: Sage, 2005.

TIDD, J. Innovation management in context: environment, organization and performance. International Journal of Management Reviews, London, v. 3, n. 3, p. 169-183, set. 2001.

VALE, G. M. V.; WILKINSON, J.; AMÂNCIO, A.  Empreendedorismo, inovação e redes: uma nova abordagem. RAE-eletrônica, Bela Vista, v. 7, n. 1, jan./jun. 2008. Disponível em: <www.rae.com.br/eletronica>. Acesso em: 13 jun. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/interacoes.v15i2.91

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)