Desenvolvimento Local: questões conceituais e metodológicas

Sérgio Ricardo Oliveira Martins

Resumo


visão humanista e ecológica requer, para sua compreensão e crítica, uma revisão de posturas e deestrutura de sentimentos, o que significa rever (portanto, questionar) convicções e crenças teóricas. De fato, aproposta humanista, holística e ecológica está na essência do conceito de desenvolvimento local, que assim adquiremaior complexidade e se torna um desafio à reflexão.

Palavras-chave


Desenvolvimento local; participação social; desenvolvimento endógeno.

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA, V. F. Municipalização para o desenvolvimento. Campo Grande: UFMS, 1993.

BENKO, G. Economia, espaço e globalização na aurora doc século XXI. Tradução: Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Hucitec, 1996.

BRITO, S. P. A Sociologia e a abordagem sistêmica. São Paulo: Papirus, 1986.

CAPRA, F. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo: Cultrix, 1982.

CASTRO, I. E. O problema da escala. In: CASTRO, I. E., GOMES, P. C. C., CORRÊA, R. L. (org.) Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p.117-140

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1 - artes de fazer. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

COMITÉ Económico y Social de Las Comunidades Europeas. Dictamen sobre el desarrollo local en la política regional comunitaria. Bruxelas: CES, 1995.

DEMO, P. Participação é conquista. São Paulo: Cortez Editora, 1988.

DOWBOR, L. A intervenção dos governos locais no processo de desenvolvimento. In: BAVA, S. Caccia (org.). Desenvolvimento local, geração de emprego e renda. São Paulo: Polis, 1996.

FERNÁNDEZ, C. B. Evaluación y resultados de la Iniciativa Comunitária LEADER 1. Cuadernos de Aguilar, Conferencias, Sl., p. 26-47, 1995.

GOBIERNO BASCO. Estudios de economia, manual de desarrollo local. Vitoria-Gasteiz: Departamento de Economia y Hacienda, 1994.

GONZÁLEZ, R. R. La escala local del desarrollo: definición de aspectos teóricos. In: Revista de Desenvolvimento Económico, ano 1, n. 1, Salvador, nov. 1998.

HAESBAERT, R. Filosofia, Geografia e Crise da Modernidade. Terra Livre, São Paulo, Marco Zero/AGB, n. 7, p. 63-92, 1990.

HAQ, M. A cortina da pobreza: opções para o Terceiro Mundo. Tradução de Richard Paul Neto. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1978.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. 7. ed. São Paulo: Loyola, 1998.

KLIKSBERG, B. Capital social y cultura, claves esenciales del desarrollo. Revista de la CEPAL 69, dez. 1999.

KOSIK, K. A dialética do concreto. 5. ed. Trad. Célia Neves e Alderico Toríbio. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

LA DINÁMICA local, una garantía de continuidad. Leader Magazine, S.l., n. 2, p. 11-15, Invierno, 1992-93.

LACOSTE, Y. A geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Campinas: Papirus, 1988.

LE BOURLEGAT, C. A. Ordem local como força interna de desenvolvimento. In: Interações – Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v. 1, n. 1, p. 13-20, set. 2000.

LEROY, J. Modelos de desenvolvimento em questão. In: COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. A luta pela terra. São Paulo: Paulus, 1997. p. 87-98.

LUTFI, E. P. et al. As representações e o possível. In: MARTINS, José de Souza. Henri Lefebvre e o retorno à dialética. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 87-97.

MARTÍN, J. C. Los retos por una sociedad a escala humana: el desarrollo local. In: SOUZA, M. A. Metrópole e gobalização: conhecendo a cidade de São Paulo. São Paulo: CEDESP, 1999. p. 169-177.

MAX-NEEF, M.; ELIZALDE, A.; HOPENHAYN, M. Desarrollo a escala humana: una opción para el futuro. In: Development Dialogue (número especial). Santiago do Chile, 1986.

MORAES, Antônio Carlos R. Geografia, pequena história crítica. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1984.

OLIVEIRA, A. U. Espaço e Tempo: compreensão materialista dialética. In: SANTOS, Milton (org.). Novos rumos da Geografia brasileira. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1988. p. 66-110.

ROZAS, G. Pobreza y desarrollo local. In: Excerpta, Universidade do Chile, n. 7, 1998. (Na Internet: http// rehue.csociales.uchile.cl) SANTOS, Milton. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1988.

_____. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996a.

_____. Espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1996b. SEABRA, O. C. L. A inssurreição do uso. In: MARTINS, José de Souza. Henri Lefebvre e o retorno à dialética. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 71-86.

SILVA, A. C. M. O cotidiano na perspectiva dos ritmos. Revista Geousp, São Paulo, n. 2, p. 31-34, 1997.

SODRÉ, N. W. Introdução à Geografia. 7. ed. Petrópoli s: Vozes, 1989.

SOUZA, M. L. A teoria sobre o desenvolvimento em uma época de fadiga teórica, ou: sobre a necessidade de uma “teoria aberta” do desenvolvimento socioespacial. Revista Território, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 5-22, jul./ dez. 1996.

TORRAS, M. La participación de los pueblos en su desarrollo. Barcelona: Intermón, 1995.

VERHELST, Thierry G. O direito à diferença. Petrópolis: Vozes, 1992.

YUNUS, M. Hacia un mundo sin pobreza. Clube de Debate de la Universidad Complutense de Madrid. Madri, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/interacoes.v3i5.570

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)