A erva-mate e os Kaiowá e Guarani: da abordagem etnobotânica à promoção do desenvolvimento local

Adriana Zanirato Contini, Maria Augusta de Castilho, Reginaldo Brito Costa

Resumo


O presente estudo objetivou estabelecer uma relação histórico-cultural entre os Kaiowá e Guarani e a erva-mate nativa, com alternativas para a promoção do desenvolvimento local. O texto trata de entender os reflexos das relações de uso do gênero Ilex pelas comunidades indígenas e colonizadoras, com a exploração econômica domaterial vegetal e o fortalecimento do conhecimento tradicional. Ao longo do trabalho, buscou-se reunir informações que esclarecessem o papel da erva-mate na história regional, enfatizando a adequação dos papéis dos agentesresponsáveis pelo desenvolvimento onde hoje é o Estado de Mato Grosso do Sul, com destaque para a participação dos jesuítas, os Kaiowá e Guarani e os reflexos socioambientais decorrentes da colonização, bem como a importânciade políticas que fortaleçam o cultivo da espécie em áreas de ocorrência natural.

Palavras-chave


Ilex paraguariensis. Povos indígenas. Saberes tradicionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P. de. Introdução à etnobotânica Recife: Bagaço. 2002.

ARRÓSPIDE, J. L. R. Antonio Ruiz de Montoya y las reducciones del Paraguay. Assunción, Paraguay: Centro de Estudios Paraguayos “Antonio Guasch”, 1997.

AVÉ-LALLEMANT, R. Viagem pela província do Rio Grande do Sul. Trad. de Teodoro Cabral. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1980.

ÁVILA, V. F. de. Cultura, desenvolvimento local, solidariedade e educação. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE DESENVOLVIMENTO LOCAL, 1. Campo Grande: UCDB, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2004, às 21h30.

BRAND, A. J. Desenvolvimento local em comunidades indígenas no Mato Grosso do Sul: a construção de alternativas. Interações, Campo Grande, v. 1, n. 2, p. 59-68, mar. 2001. ______. Biodiversidade, sócio-diversidade e desenvolvimento: os Kaiowá e Guarani no Estado de Mato Grosso do Sul. In: COSTA, R. B. (Org.). Fragmentação fl orestal e alternativas de desenvolvimento rural na região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, 2003. p. 175-204.

BUARQUE, S. C. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável: material para orientação técnica e treinamento de multiplicadores e técnicos em planejamento local e municipal. Brasília, DF: Instituto Nacional de Cooperação para a Agricultura – IICA, 1999.

CASTRO, E. Território, biodiversidade e saberes de populações tradicionais. In: DIEGUES, A. C. (Org.) Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec, 2000. p. 165-182.

COLCHESTER, M. Resgatando a natureza: comunidades tradicionais e áreas protegidas. In: DIEGUES, A. C. (Org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec, 2000. p. 225-256.

COSTA, R. B. A fragmentação fl orestal e os recursos genéticos. In: COSTA, R. B. da (Org.). Fragmentação fl orestal e alternativas de desenvolvimento rural na região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, 2003.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, 1996.

DURSTON, J. Constuyendo capital social comunitario. Revista de La Cepal, Chile, n. 69, p. 103-118, Deciembre 1999.

ELIZALDE, A. Desarrollo a escala humana: conceptos y experiencias. Interações, Campo Grande, v. 1, n. 1, set. 2000.

FONSECA, M. C. L. Para além da pedra e cal: por uma concepção ampla de patrimônio cultural. In: ABREU, R.; CHAGAS, M. (Orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. KLIKSBERG, B. Capital social y cultura, claves esenciales del desarrollo. Revista de La Cepal, Chile, n. 69, p. 85-102, Deciembre 1999.

KLIKSBERG, B. Capital social y cultura, claves esenciales del desarrollo. Revista de La Cepal, Chile, n. 69, p. 85-102, Deciembre 1999.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 15. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

LE BOURLEGAT, C. Ordem local como força interna de desenvolvimento. Interações, Campo Grande, v. 1, n. 2, p. 13-20, set. 2000.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identifi cação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2002. v. 1.

LUGON, C. A república “comunista” cristã dos Guaranis 1610-1768. Trad. De Álvaro Cabral. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

MARTINS, S. R. O. Desenvolvimento local: questões conceituais e metodológicas. Interações, Campo Grande, v. 3, n. 5, p. 51-59, Set. 2002.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: Vida, 2001. 327p.

RESENDE, M. D. V.; MAURO, R. de A. Genética de populações e conservação de animais silvestres. In: COSTA, R. B. (Org.). Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB, 2003. p. 75-112.

ROUÉ, Marie. Novas perspectivas em etnoecologia: “saberes tradicionais” e gestão dos recursos naturais. In: DIEGUES, A. C. (Org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Hucitec, 2000.

SAINT-HILAIRE, A. Viagem ao Rio Grande do Sul. Trad. de Leonam de Azeredo Penna. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

SCHERER, R. A. Early selection of yerba mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) in Argentina. Bonn: Rheinischen Friedrich-Wilhelms-Universitat, 1997. 58p.

STURION, J. A.; RESENDE, M. D. V. Programa de melhoramento genético da erva-mate no Centro Nacional de Pesquisa de Florestas da Embrapa. In: CONGRESSO SUL AMERICANO DA ERVA-MATE, 1.; REUNIÃO TÉCNICA DO CONE SUL SOBRE A CULTURA DA ERVAMATE, 2., 1997, Curitiba. Anais... Colombo: EMBRAPACNPF, 1997. 467p. (EMBRAPA-CNPF, Documentos, 33).




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/interações.v13i2.311

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1984-042X (versão online)
ISSN 1518-7012 (versão impressa, até v. 16, n. 1, jan./jun. 2015)