Eixos de integração e desenvolvimento, Rota de Integração Latino-Americana e turismo: território de Mato Grosso do Sul e franjas fronteiriças

Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Resumo


O objetivo do presente artigo é abordar a concepção de corredores de transporte e Eixo de Integração e Desenvolvimento (EID), que permitam melhor refletir sobre o papel da “Rota de Integração Latino-Americana (RILA)”, à qual Mato Grosso do Sul se insere, assim como sobre a contribuição da atividade turística, no desenvolvimento territorial do EID em construção na América do Sul, envolvendo Brasil, Paraguai, Argentina e Chile. A pesquisa é natureza bibliográfica e documental, além de incluir informações obtidas por meio da experiência direta dos pesquisadores nessa parceria, pela UCDB no “Conselho de Reitores de Instituições de Ensino Superior no Estado –CRIE/MS”. O texto aborda a construção conceitual do EID relacionado ao corredor logístico de transporte, assim como a posição estratégica de Mato Grosso do Sul frente aos vários  corredores logísticos bioceânicos, projetados na iniciativa da IIRSA. Nesse modelo sistêmico de construção territorial do EID, são feitas reflexões sobre um processo de planejamento integrado de turismo, como atividade complementar, no fortalecimento dessa modalidade de construção territorial multinacional no continente sul-americano.


Palavras-chave


rota de integração; eixo de integração e desenvolvimento; atividade turística

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, D. F. Educação superior, turismo e interculturalidade: um novo olhar da educação para uma nova cultura. In: ARAÚJO, M. I. O (Org.). Perspectivas de educação ambiental no constructo da interculturalidade. Aracaju: Criação, 2013. p. 37-50.

BARQUERO,  A. V. Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2002.

BATALHA, M. O. As cadeias de produção agroindustriais: uma perspectiva para o estudo das inovações tecnológicas. Revista de Administração, São Paulo, v. 30, n. 42, p. 43-50, 1995.

BATESON, G. Mente e natureza: uma unidade necessária. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986.

CASTILLO, R. Agricultura globalizada e logística nos cerrados brasileiros. In: Circulação, transportes e logística: diferentes perspectivas. SILVEIRA, M. R. (Org.). São Paulo: Outras Expressões, 2011. p. 331-54.

COUTO, L. F. Desenvolvimento, integração e assimetrias: caminhos e descaminhos da aproximação regional na América do Sul. Brasília: Fundação João Mangabeira, 2013.

DEMATTEIS, G.; GOVERNA, F. Territorio y territorialidad en el desarrollo local: la contribución del modelo SLOT. Boletín de la A.G.E, n. 39, p. 31-58, 2005.

DE PIERI, V. S. G. Turismo e integração regional: um pouco na América Latina e Caribe. Boa Vista: Editora da UFR, 2018.

EIRIZ, V. Proposta de tipologia sobre alianças estratégicas. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, n. 2, p. 65-90, maio/ago. 2001.

FERNANDES, M. S.; DINIZ FILHO, L. L. Planejamento territorial da IIRSA: conceitos e projetos. Revista de Geopolítica, v. 8, n. 1, p. 1-18, jan./jun. 2017.

GARDIN, C. Mato Grosso do Sul: considerações sobre política de transporte e projetos de integração continental. In: LAMOSO, Lisandra (Org.). Transportes e politicas públicas em mato Grosso do Sul. Dourados: UFGD, 2008. p. 77-91.

GEIPOT. Estudo de Corredores Bioceânicos. Brasília: Ministério dos Transportes, 1996.

HARVEY, D. The New Imperialism. Oxford: Oxford University Press, 2003.

HOLEC, N.; BRUNET-JOLIVALD, G. De la gouvernance des économies à celle des territoires: note de synthèse sur la gouvernance. Centre de documentation de l’urbanisme, 2000.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: Redesist/UFRJ, 2005.

LE BOURLEGAT, C. A.; OLIVEIRA, M. C. Politicas públicas e mapeamento de APLs em Mato Grosso do Sul. In: CAMPOS, R. R et al. Políticas estaduais para Arranjos Produtivos Locais no Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Rio de Janeiro: E-Papers, 2010. p. 291-334.

LEMOS, M. B. Regionalização: análise da experiência brasileira recente. Relatório do projeto “Diretrizes para formulação de politicas de desenvolvimento regional e de ordenação do território brasileiro”. Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2004.

LUNDVALL, B. A. Políticas de Inovação na Economia do Aprendizado. Parcerias Estratégicas, n. 10, p. 200-18, mar. 2001.

MANZONI NETO, A. Abordagem territorial no planejamento público federal no Brasil a partir dos anos 1990: uma análise da atuação de empresas de consultoria. GEOUSP–Espaço e Tempo, São Paulo, n. 34, número especial, p. 106-18, 2013.

MELO, C. Concepção de um sistema de apoio à decisão aplicado à gestão do investimento em turismo. Lisboa: ITP, 2005. (Coleção Temas de Turismo).

MELO, M. J. G. A Inserção do ecoturismo no Brejo de Serra Negra/Bezerros/PE. Uma Proposta de Desenvolvimento Socioespacial? Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

MINARI, M. L.; RABINOVICI, A. Diálogo, participação e projetos de turismo com comunidades em Unidades de Conservação na Amazônia brasileira. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 44-66, fev./abr. 2014.

NOGUEIRA, J. L. M. Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul Americana – IIRSA. Análise Integração Regional/Desenvolvimento. Conjuntura Internacional/ Cenários PUC Minas, 2008.

OLIVEIRA, V. de A. A infraestrutura de transportes como politica governamental para o desenvolvimento regional e a integração sul-americana: uma análise sobre as rotas bioceânicas em Mato Grosso do Sul. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Dourados, MS, 2010.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Relatório Mundial da Unesco: investir na diversidade cultural e no diálogo intercultural. Paris, 2009.

PEREIRA, A. S.; LOPES, S. D. A influência da cooperação estratégica no processo de desenvolvimento do turismo de Natal (RN): análise de relações entre os stakeholders. Revista Brasileira de Estratégia, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 137-50, maio/ago. 2013.

PERROUX, F. O conceito de polo de crescimento. In: FAISSOL, E. (Org). Urbanização e regionalização. Secretaria de Planejamento da Presidência da República, 1977.

PROCHNIK, Victor. Cadeias produtivas na politica de ciência, tecnologia e inovação. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001.

SALGADO, T. R.; VIANA, J. L. R,; ARAGÃO, A. R. S. Impactos da atividade turística à economia municipal de Alto Paraíso de Goiás, Brasil. Mercator, Fortaleza, v. 13, n. 3, p. 75-91, set./dez. 2014.

SANTOS, M. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e Emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SOARES, É. B. S.; EMMENDOERFER, M L.;. MONTEIRO, L. P. Gestão pública no turismo e o desenvolvimento de destinos turísticos em um estado da Federação Brasileira: uma análise do planejamento estratégico do turismo em Minas Gerais (2007-2010). Tourism & Management Studies, v., 9, n. 2, p. 50-6, 2013.

SOUZA, R. L.;  SANTOS, E. O.;  THOMÉ-ORTIZ, H. O turismo no espaço rural como atividade complementar de geração de renda e ocupação não agrícola no Corede das Hortênsias do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v. 17, n. 1,  p. 171-86, abr. 2017.

SOUZA, V. H. P; SILVEIRA, M.  R. Integração territorial na América do Sul: uma análise dos projetos de infraestrutura dos portfólios da IIRSA/COSIPLAN. Cadernos Prolam/USP, v. 13, n. 25, p. 137-56, 2014.

TAVARES, J. C. Eixos: novo paradigma do planejamento regional? Os eixos de infraestrutura nos PPA ́s nacionais, na IIRSA e na macrometrópole paulista. Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 18, n. 37, p. 671-95, set./dez. 2016.

THORSTENSEN, V. Corredores logísticos multimodais, desenvolvimento de redes transeuropeias de transporte e implantação: do conceito do corredor no Brasil. São Paulo: Diálogos Setoriais União Europeia/Brasil, 2016.

UNASUR-COSIPLAN. Cartera de Proyectos. 2011. Disponível em: www.iirsa.org.  Acesso em: 1º jan. 2012.

UNASUR/COSIPLAN. Agenda de Projetos Prioritários-API. IIRSA, nov. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v20iespecial.2532

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)