Perspectivas do Corredor Bioceânico para o Desenvolvimento Local no estado de MS: o caso de Porto Murtinho

Thiago Andrade Asato, Débora Fittipaldi Gonçalves, Erick Pusck Wilke

Resumo


Este artigo versa sobre o Corredor Bioceânico, fomentando como tal rota pode contribuir para o desenvolvimento local de Mato Grosso do Sul, mais especificamente na cidade de Porto Murtinho, no olhar voltado ao desenvolvimento turístico. O trabalho é fundamentado inicialmente nos impactos da grande obra da ponte binacional entre Porto Murtinho, no Brasil, e a cidade gêmea Carmelo Peralta, no Paraguai. Posteriormente, como fundamentação teórica, trataremos de conceitos de rota para efeito de benchmarking, referendando outras rotas de integração latino-americana como San Juan, La Rioja e Coquimbo. Na parte final do artigo, trataremos de políticas públicas no contexto de MS a partir da viabilidade do corredor bioceânico. A metodologia utilizada será pesquisa bibliográfica, bibliométrica e documental sobre os temas relacionados a temática principal e os resultados são parciais sobre os impactos que o Corredor causará no município de Porto Murtinho.


Palavras-chave


Rota Bioceânica; Porto Murtinho; turismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARAT, Josef. Globalização, logística e transporte. In. BARAT, Josef. Logística e transporte no processo de globalização. São Paulo: UNESP, 2007.

BARROS, Abílio de. Gente pantaneira: crônicas de sua história. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1998.

BRASIL. Ministério do Turismo. Regulamentação, normalização e certificação em turismo de aventura: relatório diagnóstico. Brasília, 2005. Disponível em: http://www.livrosgratis.com.br/arquivos_livros/tu000015.pdf. Acesso em: 3 mar. 2019.

CÉSAR, Alfredo; ARNAIZ, Stella. Globalización, turismo y sustentabilidad. Puerto Vallarta: Universidad de Guadalajara, 2002.

CENTRO HUMANITÁRIO DE APOIO À MULHER (CHAME). O que é que a Bahia tem: o outro lado do turismo em Salvador. Salvador: UFBA, 1998.

COSTA, Rogério Haesbaert da. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” a multiterritorialidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

DÍAZ CARRIÓN, Isis Arlene. Turismo de aventura y participación de las mujeres en Jalcomulco (México). PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, Islas Canarias, v. 10, n. 5, p. 531-42, 2012.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. Entre histórias e tererés: o ouvir da literatura pantaneira. São Paulo: UNESP, 2002.

FLUKER, Martín R.; TURNER, Lindsay. W. Needs, motivations and expectations of commercial Whitewater rafting experience. Journal ofTravel Research, v. 38, p. 380-89, 2000.

GRESSLER, Lori Alice; VASCONCELOS, Luiza Mello; SOUZA, Zélia Peres de. História e Geografia do Mato Grosso do Sul. São Paulo: FTD, 2005.

LANDER, Edgardo. Crisis Civilizatórias, Límites del planeta, assaltos a la democracia y pueblos en resistência. In: QUINTERO, Pablo (ed.). Crisis Civilizatória, desarollo y Buen Vivir. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2014. p. 27-58.

LEITE, Eudes Fernando. Marchas na história: comitivas e peões-boiadeiros no Pantanal. Brasília: Ministério da Integração Nacional; Campo Grande, MS: UFMS, 2003.

LIMA, Maria Margareth Escobar Ribas. Ciclos econômicos e produção arquitetônica em Porto Murtinho. Campo Grande, MS: Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, 2013.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E.D. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAMEDE, Simone Batista. Interpretando a natureza: subsídios para a educação ambiental. Campo Grande: UNIDERP, 2003.

MATTEDI, Marcos Antônio. Pensando com o desenvolvimento regional: subsídios para um programa forte em desenvolvimento regional. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional, Blumenau, v. 2, n. 2, p. 59-105, jun. 2015.

MAZUEL, Luc. Patrimônio cultural e turismo rural: o exemplo francês. In: ALMEIDA, Joaquim Anécio; RIEDL, Mário. Turismo rural: ecologia lazer e desenvolvimento. Bauru, SP: EDUSC, 2000. p. 95- 115.

MELLO, Claiton; STREIT, Jorge; ROVAI, Renato. (Org.). Geração de trabalho e renda, economia solidária e desenvolvimento local: a contribuição da Fundação Banco do Brasil. São Paulo: Publisher Brasil, 2006.

NOGUEIRA, Albana Xavier. O que é Pantanal. São Paulo: Brasiliense, 1990. (Coleção Primeiros Passos).

PIKE, Andy; RODRÍGUES-POSE, Andrés; TOMANEY, John. Local and Regional Development. Journal of Economic Geography , v. 7, n. 2, p. 217-19, mar. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1093/jeg/lbl026. Acesso em: 20 set. 2018.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento numa economia mundial liberalizada e globalizante: um desafio impossível? Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 30, p. 213-42, maio/ago.1997.

SERRANO, Célia; PAES-LUCHIARI, Maria Tereza. (Eco)turismo e meio ambiente no Brasil: territorialidades e contradições. In: TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi (Ed.). Análises regionais e globais do Turismo Brasileiro. São Paulo: Roca, 2005. p. 505-15.

SIBLEY, D. A. Birding Basics. Nova Iorque: Alfred A. Knopf, 2002.

SILBERBERG, T. Cultural tourism and businees opportunities for museums and heritage sites. Tourism Management, v. 16, n. 5, 1995.

TAYLOR, Jacqueline Sánchez. Dollars are a girl’s best friend? Female tourists’ sexual behaviour in the Caribbean. Sociology, v. 35, n. 3, p. 749-64, 2001.

TRESSERRAS, Juan J. El uso del patrimonio cultural para el turismo cultural: una mirada desde la comunidad para el desarrollo endógeno basado en un turismo sostenible y responsable. Ponencia. In: SEMINARIO INTERNACIONAL EL PATRIMONIO CULTURAL, UN APORTE AL DESARROLLO ENDÓGENO. Nov. 2013, Quito. Anais […]. Quito: UASB, 2013.

UNION DE NACIONES SURAMERICANAS (UNASUR); Consejo Suramericano de Infraestructura y Planeamiento (COSIPLAN). Informe de Actividades 2017. Disponível em: https://www.flipsnack.com/IIRSA/informe-de-actividades-2017.html. Acesso em: 20 set. 2018.

URRY, John. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Studio Nobel; SESC, 2001.

VARGAS, Icléia Albuquerque de. Porteiras assombradas do paraíso: embates da sustentabilidade socioambiental no Pantanal. Campo Grande, MS: UFMS, 2009.

VERHELST, Thierry G. O direito à diferença Sul Norte: identidades culturais e desenvolvimento. Tradução de Maria Luísa César. Petrópolis: Vozes,1992.

VIEGAS, Anderson. Rodada de Negócios e assinatura de convênios para projetos do corredor marcam Rila na Argentina. G1 MS, 31 agosto 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/rila/noticia/rodada-de-negocios-e-assinatura-de-convenios-para-projetos-do-corredor-marcam-rila-na-argentina.ghtml. Acesso em: 18 maio 2018.

WALSH, Catherine. La educación intercultural en la educación. Peru: Ministerio de Educación, 2001. [Mimeografado].

WEBINAR UCDB. Corredor Rodoviário Bioceânico: desafios e perspectivas. In: WEBINAR, 3., 6 dez. 2017, Campo Grande, MS. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fOk6kCYmdgA. Acesso em: 15 dez. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v20iespecial.2476

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)