Porto Murtinho, Mato Grosso do Sul, e o Corredor Bioceânico: caminhos possíveis para a sustentabilidade socioambiental

Maristela Benites, Simone Mamede, Carla Villamaina Centeno, Gilberto Luiz Alves

Resumo


Este trabalho tem por objeto o município de Porto Murtinho, localizado na porção sudoeste de Mato Grosso do Sul. Objetiva analisar a economia local e seu reflexo na biodiversidade nas últimas décadas, além de sondar possíveis impactos da implantação do Corredor Bioceânico, tendo como pressupostos o desenvolvimento sustentável, o reconhecimento e a valorização da cultura, do ecoturismo, do turismo de observação de aves e da vida selvagem.


Palavras-chave


desenvolvimento sustentável, fronteira, turismo, cultura, economia

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SABER, AZIZ. Brasil: paisagens de exceção: o litoral e o Pantanal Mato-grossense - patrimônios básicos. Cotia: Ateliê editorial, 2006.

ALMEIDA, Cleibson A.; SELEME, Robson; CARDOSO-NETO, João. Rodovia transoceânica: uma alternativa logística para o escoamento das exportações da soja brasileira com destino à China. Revista Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 51, n. 2, p. 351-68, jan./jun. 2013. 

ALVES, Gilberto L. Arte, artesanato e desenvolvimento regional: temas sul-matogrossenses. Campo Grande: UFMS, 2014.

ALVES, Gilberto L. A casa comercial e o capital financeiro em Mato Grosso, 1870-1929. Campo Grande: Uniderp, 2005.

ASSINE, Mario L.; SILVA, Aguinaldo. Contrasting fluvial styles of the Paraguay River in the northwestern border of the Pantanal wetland, Brazil. Geomorphology, Trondheim, v. 113, n. 3-4, p. 189-99, 2009.

BENITES, Maristela; MAMEDE, Simone; CARVALHO, Guto; ALHO, Cleber J. R. Assessment of avian occurrence in the Brazilian Chaco. International Journal of Avian & Wildlife Biology, Oklahoma, v. 2, n. 4, p. 99-113, 2017.

BRAND, Antônio; FERREIRA, Eva M. L.; ALMEIDA, Fernando A. A. Os Kaiowá e Guarani em tempos da Cia. Matte Larangeira: negociações e conflitos. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 23., Londrina. Anais eletrônicos […]. São Paulo: Associação Nacional de História, 2005. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/anpuhnacional/S.23/ANPUH.S23.0129.pd. Acesso em: 10 fev. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria n. 443, de 17 de dezembro de 2014. Lista nacional oficial de espécies da flora ameaçadas de extinção. Disponível em: http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/static/pdf/portaria_mma_443_2014.pdf. Acesso em: 12 nov. 2018 

BRASIL. Ministério do Turismo. Ecoturismo: orientações básicas. 2. ed. Brasília: Ministério do Turismo, 2010. 

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC). Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 jul. 2000. Seção 1, p. 1.

CENTENO, Carla V. A educação e trabalho na fronteira de Mato Grosso: estudo histórico sobre o trabalhador ervateiro (1870-1930). Campo Grande: UFMS, 2008.

CORIOLANO, L. N. M. T. O turismo comunitário no nordeste brasileiro. In: BARTHOLO, Roberto; SANSOLO, Davis G.; BURSZTYN Ivan (Orgs.). Turismo de Base Comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009. p. 277-88, Disponível em: http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/TURISMO_DE_BASE_COMUNITxRIA.pdf. Acesso em: 10 fev. 2019.

CORRÊA, Valmir B.; CORRÊA, Lúcia S. O dilema da produção de tanino na fronteira Brasil-Paraguai. Albuquerque - Revista de História, Campo Grande, v. 1, n. 1, p. 55-75, jan./jun. 2009.

ESSELIN, Paulo M. A pecuária bovina no processo de ocupação e desenvolvimento econômico do Pantanal sul-mato-grossense, 1830-1910. Dourados: Edufgd, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE.). Manual técnico da vegetação brasileira: sistema fitogeográfico, inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. Manuais Técnicos em Geociências, n. 1. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

INSTITUTO DE MEIO AMBIENTE DE MATO GROSSO DO SUL (IMASUL). Unidades de Conservação de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, [s.d.].  Disponível em: http://www.imasul.ms.gov.br/setores/gerencias/unidades-de-conservacao/. Acesso em: 12 nov. 2018.

LE BOURLEGAT, Cleonice A. Campo Grande e o estado do Mato Grosso do Sul no centro do Corredor sul-americano dos litorais atlântico e pacífico. Multitemas, Campo Grande, n. 8, p. 169-90, jan./jul. 2016.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LIMA, Maria Margareth E. R. O resgate de Porto Murtinho. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 4, n. 3, p. 135-43, dez. 2000.

OLIVEIRA, Jorge E.; ESSELIN, Paulo M. Uma breve história (indígena) da erva-mate na região platina: da Província do Guairá ao antigo sul de Mato Grosso. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 278-318, jul./dez. 2015.

PORTO-GONÇALVES, Carlos W. A ecologia política na América Latina: reapropriação social da natureza e reinvenção dos territórios. Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 16-50, jul. 2012.

POTT, Arnildo; OLIVEIRA, Ademir K. M.; DAMASCENO-JÚNIOR, Geraldo A; SILVA, J. S. V. Plant diversity of the Pantanal wetland. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 71, n. 1, p. 265-73, 2011 

POTT, Arnildo; POTT, Vali J.; DAMASCENO-JÚNIOR, Geraldo A. Fitogeografia do Pantanal. In: CONGRESSO LATINO AMERICANO DE ECOLOGIA, 3; CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 9., São Lourenço. Anais eletrônicos […]. São Paulo: Sociedade de Ecologia do Brasil, 2009. Disponível em: http://ecologia.ib.usp.br/seb-ecologia/2009/resumos_professores/arnildo_pott.pdf. Acesso em: 1º dez. 2018.

PRADO, Darién E. What is the Gran Chaco vegetation in South America? I. A review. Contribution to the study of flora and vegetation of the Chaco V. Candollea, Genebra, v. 48, n. 1, p. 145-72, 1993.

PRADO, Darién E.; GIBBS, Peter E.; POTT, Arnildo. POTT, Vali, J. The Chaco-Pantanal transition in southern Mato Grosso, Brazil. In: FURLEY, Peter A; PROCTOR, John; RATTER, John A. (Ed.). Nature and dynamics of forest-savanna boundaries. 5. ed. London: Chapman & Hall, 1992.

ROMERO, Maiara C.; RODRIGUES, Marlon L. A língua guarani japorá: uma questão de identidade. Web-Revista SOCIODIALETO, Campo Grande, v. 5, n. 13, p. 73-89, jul. 2014.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2012.

SARMIENTO, Guillermo. Ecological and floristic convergences between seasonal plant formations of Tropical and Subtropical South America. Journal of Ecology, London, v. 60, n. 2, p. 367-410, 1972.

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (SEMADE). Perfil Estatístico de Mato Grosso do Sul 2015 - ano base: 2015. Campo Grande: SEMADE, 2016.

SILVA, João V.; CAPUTO, Ana C. B. Localização e distribuição da vegetação Savana Estépica (Chaco) no Pantanal brasileiro. In: SIMPÓSIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 3., Cáceres. Anais eletrônicos [...]. Cáceres: Embrapa Informática Agropecuária/INPE, 2010. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/23282/1/p226.pdf. Acesso em: 2 set. 2018.

SILVA, Marta P.; MAURO, Rodiney A.; ABDON, Myrian; SILVA, João dos .Santos. V. Estado de Conservação do Chaco (Savana Estépica) brasileiro. In: SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO, 9.; SIMPÓSIO INTERNACIONAL SAVANAS TROPICAIS, 2., Brasília, 2-17 out. 2008. Anais eletrônicos […] Brasília: Embrapa Cerrados, 2008. Disponível em: http://simposio.cpac.embrapa.br/simposio%20em%20pc210%20(Pc210)/trabalhos_pdf/00789_trab1_ap.pdf. Acesso em: 2 set. 2018.

SILVESTRINI, Rubens; WEINGARTNER, Alisolete; TACHIBANA, Luã. A tríade Guerra do Paraguai-erva mate-território: a contribuição da Ilex paraguariensis para a formação da fronteira do território brasileiro pós-guerra. Revista Argamassa, Campo Grande, v. 1, n. 2, p. 17-29, maio/ago. 2018.

SODRÉ, Nelson W. Oeste: ensaio sobre a grande propriedade pastoril. São Paulo: J. Olympio, 1941.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v20iespecial.2413

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)