Saúde mental em comunidades quilombolas do Brasil: uma revisão sistemática da literatura

Eraldo Carlos Batista, Katia Bones Rocha

Resumo


O objetivo desta revisão foi identificar estudos sobre saúde mental desenvolvidos nas populações quilombolas. Os artigos foram pesquisados em três bancos de dados: Lilacs, Medline e SciELO, utilizando os seguintes descritores: “quilombola OR quilombo AND mental health OR mental disorders”. Foram selecionados oito estudos que atenderam aos critérios de inclusão. A maioria dos trabalhos apontou os indicadores sociais e econômicos como fatores associados à condição de saúde e saúde mental dos membros das comunidades quilombolas


Palavras-chave


saúde mental; saúde pública; determinantes sociais de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. A. M.; RODRIGUES, N. F. R. Determinantes sociais e económicos da Saúde Mental. Revista Portuguesa de Saúde Pública, Lisboa, v. 28, n. 2, p. 127-31, 2010.

BARROSO, S. M.; MELO, A. P.; GUIMARÃES, M. D. C. Fatores associados à depressão: diferenças por sexo em moradores de comunidades quilombolas. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 503-14, 2015.

BARROSO, S. M.; MELO, A. P.; GUIMARÃES, M. D. C. Depressão em comunidades quilombolas no Brasil: triagem e fatores associados. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 35, n. 4, p. 256-63, 2014.

BEZERRA, V. M. et al. Inquérito de saúde em comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto COMQUISTA): aspectos metodológicos e análise descritiva. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 1835-47, 2014.

BOSI, M. L. M. et al. Determinantes sociais em saúde (mental): analisando uma experiência não governamental sob a ótica de atores implicados. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 17, supl. 2, p. 126-35, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Temático Saúde da População Negra/Ministério da Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 992, de 13 de maio de 2009. Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14 maio 2009. Seção 1.

BUSS, P. M.; PELLEGRINI FILHO, A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 77-93, 2007.

CAVALCANTE, I. M. S. Acesso e acessibilidade aos serviços de saúde em Três Quilombos da Amazônia Paraense: um olhar antropológico. 2011. Dissertação (Mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na Amazônia) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2011.

CARDOSO, L. G. V.; MELO, A. P. S.; CESAR, C. C. Prevalência do consumo moderado e excessivo de álcool e fatores associados entre residentes de Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 809-20, 2015.

DIMENSTEIN, M. et al. Determinação social da saúde mental: contribuições à psicologia no cuidado territorial. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 69, n. 2, p. 72-87, 2017.

FERREIRA, M. A. F.; LATORRE, M. R. D. O. Desigualdade social e os estudos epidemiológicos: uma reflexão. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 9, p. 2523-31, 2012.

FREITAS, D. A. et al. Saúde e comunidades quilombolas: uma revisão da literatura. Revista CEFAC, São Paulo, v. 13, n. 5, p. 937-43, set./out. 2011.

GAMA, C. A. P.; CAMPOS, R. T. O.; FERRER, A. L. Saúde mental e vulnerabilidade social: a direção do tratamento. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 69-84, mar. 2014.

IBGE. Síntese dos Indicadores Sociais. Rio de Janeiro, 2017.

IBGE. Síntese dos Indicadores Sociais. Rio de Janeiro, 2013.

KOCHERGIN, C. N.; PROIETTI, F. A.; CÉSAR, C. C. Slave-descendent communities in Vitória da Conquista, Bahia State, Brazil: self-rated health and associated factors. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. 7, p. 1487-501, 2014.

KRIEGER, N. A glossary for social epidemiology. Journal of Epidemiology & Community Health, v. 55, n. 10, p. 693-700, 2001.

MARQUES, A. S. et al. Atenção primária e saúde materno-infantil: a percepção de cuidadores em uma comunidade rural quilombola. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 365-71, 2014.

MELO, M. F. T.; SILVA, H. P. Doenças crônicas e os determinantes sociais da saúde em comunidades quilombolas do Pará, Amazônia, Brasil. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), Uberlândia, MG, v. 7, n. 16, p. 168-89, mar./jun. 2015.

MONEGO, E. T.; Peixoto, M. R. G. (In) segurança alimentar de comunidades quilombolas do Tocantins. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 37-47, 2010.

MOHER, D. et al. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. Annals of Internal Medicine, v. 151, n. 4, p. 264-9, 2009.

OLIVEIRA, S. K. M. et al. Self-perceived health among ‘quilombolas’ in northern Minas Gerais, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 9, p. 2879-90, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Relatório Mundial de Saúde. 2001. Disponível em: https://www.who.int/whr/2001/en/whr01_po.pdf. Acesso em: 18 dez. 2019.

PEREIRA, L. L.; SILVA, H. P.; SANTOS, L. M. P. Projeto Mais Médicos para o Brasil: estudo de caso em comunidades quilombolas. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), Uberlândia, MG, v. 7, n. 16, p. 28-51, 2015.

PINHO, L. et al. Condições de saúde de comunidade quilombola no norte de Minas Gerais. Revista de Pesquisa Cuidado É Fundamental On-line, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 1847-55, jan./mar. 2015.

ROCHA, K. B. et al. Inequalities in mental health in the Spanish autonomous communities: a multilevel study. The Spanish Journal of Psychology, n. 18, p. 27-8, 2015.

ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia e saúde. 5. ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 2013.

SANTOS, M. F. S.; FÉLIX, L. B.; MORAIS, E. R. C. Representações sociais de juventude em uma comunidade quilombola do Agreste Pernambucano. Psico, Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 524-32, out./dez. 2012.

SANTOS, R. E. O marxismo e a questão racial no Brasil: reflexões introdutórias. Lutas Sociais, São Paulo, v. 19, n. 34, p. 100-13, jan./jun. 2015.

SILVA, J. A. Novaes da. Condições sanitárias e de saúde em Caiana dos Crioulos, uma comunidade Quilombola do Estado da Paraíba. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 111-24, maio/ago. 2007.

SILVA, R. A.; MENEZES, J. A. Reflexões sobre o uso de álcool entre jovens quilombolas. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 28, n. 1, p. 84-93, 2016a.

SILVA, R. A.; MENEZES, J. A. Os significados do uso de álcool entre jovens quilombolas. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, Manizales, Colombia, v. 14, n. 1, p. 493-504, 2016b.

SOARES, F. J. et al. Análise dos motivos dos jovens e adultos consumirem álcool. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, Jaboatão dos Guararapes, PE, v. 11, n. 35, p. 554-66, 2017.

SOUZA, D. O.; SILVA, S. E. V.; SILVA, N. O. Determinantes sociais da saúde: reflexões a partir das raízes da “questão social”. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 44-56, 2013.

VAREJÃO, V. A. et al. Fortalecimento da identidade e da autonomia da comunidade: um enfoque na saúde. In: SEMINÁRIO DO PROJETO INTEGRALIDADE: SABERES E PRÁTICAS NO COTIDIANO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE, 6., 2006. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABRASCO, 2006. p. 119-26.

XAVIER, L. C. A visão da feminilidade sobre os cuidados em saúde dos quilombos contemporâneos. In: BATISTA, L. E.; WERNEK, J.; LOPES, F. (Org.). Saúde da população negra. Brasília, DF: ABPN – Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, 2012. p. 204-21.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v21i1.2149

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)