Cadeias agroalimentares curtas e o mercado de alimentação escolar na rede municipal de Ijuí, RS

Indaia Dias Lopes, David Basso, Argemiro Luís Brum

Resumo


Este artigo tem como objetivo avaliar o funcionamento do mercado gerado pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) na rede escolar municipal de Ijuí, RS, sob o enfoque das cadeias agroalimentares curtas. Trata-se de uma pesquisa explicativa, com abordagem qualitativa dos dados. No município de Ijuí foram criadas parcerias entre os diferentes atores sociais envolvidos com o PNAE de modo a organizar os agricultores familiares locais para participarem deste mercado.


Palavras-chave


cadeias agroalimentares curtas; alimentação escolar; agricultura familiar.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Volmir R. do. Potencialidades e limites da política de alimentação escolar na promoção da agricultura familiar. 2016. 102f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2016.

ATLAS DE DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Perfil. Ijuí, RS. [s.d.]. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/ijui_rs. Acesso em: 19 jan. 2017.

BALESTRO, Moisés V. Contribuições metodológicas para análise das cadeias curtas de produção: os ganhos da comparação e da causalidade. In: SCHNEIDER, Sergio; GAZOLLA, Marcio (Org.). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2017. p. 147-72.

BASSO, David. Fundamentos teóricos e procedimentos metodológicos para a análise de processos reais de desenvolvimento. In: SIEDENBERG, Dieter R. (Org.). Desenvolvimento sob múltiplos olhares. Ijuí, RS: Unijuí, 2012. p. 101-37.

BELIK, Walter. Agricultura familiar, políticas públicas e os novos mercados. In: TEO, Carla Rosane P. A.; TRICHES, Rozane Marcia (Org.). Alimentação escolar: construindo interfaces entre saúde, educação e desenvolvimento. Chapecó, SC: Unochapecó, 2016. p. 65-88.

BRASIL. Lei n. 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica (...). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jun. 2009.

BRASIL. Lei n. 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm. Acesso em: 22 jan. 2017.

DAROLT, Moacir Roberto et al. Redes alimentares alternativas e novas relações produção-consumo na França e no Brasil. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v. XIX, n. 2, p. 1-22, abr./jun. 2016.

FERNANDES, Patrícia F.; SCHNEIDER, Sérgio; TRICHES, Rozane Marcia. Identificação da oferta de produtos da agricultura familiar e da demanda pelo Programa de Alimentação Escolar das escolas estaduais do Rio Grande do Sul. In: TEO, Carla Rosane P. A.; TRICHES, Rozane Marcia (Org.). Alimentação escolar: construindo interfaces entre saúde, educação e desenvolvimento. Chapecó, SC: Unochapecó, 2016. p. 169-99.

FRANZONI, Gabriel B.; SILVA, Tania N. Inovação Social e Tecnologia Social: o caso da cadeia curta de agricultores familiares e a alimentação escolar em Porto Alegre/RS. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, RS, v. 14, n. 37, p. 358-91, edição especial 2016.

FROEHLICH, Elisângela. A capacidade de “Fazer Diferente”: os condicionantes legais e as estratégias de governança na implementação do programa de alimentação escolar em Dois Irmãos e Tapes (RS). 2010. 152f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO (FNDE). Resolução CD/FNDE n. 1, de 8 de fevereiro de 2017. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/10900-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-mec-n%C2%BA-1,-de-8-de-fevereiro-de-2017. Acesso em: 17 mar. 2017.

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO (FNDE). Resolução CD/FNDE . 26 de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do PNAE. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 14 jun. 2013.

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO (FNDE). Programa Nacional de Alimentação Escolar. Histórico. [s.d.]. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/programas-suplementares/pnae-sobre-o-programa/pnae-historico. Acesso em: 17 nov. 2016.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2016.

IJUÍ. Desenvolvimento rural: merenda escolar. [s.d.]. Disponível em: http://www.ijui.rs.gov.br/secretarias/desenvolvimento_rural/merenda_escolar. Acesso em: 23 jan. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). IBGE cidades. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=431020/. Acesso em: 3 dez. 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Sinopse Estatística da Educação Básica 2015. Brasília: Inep, 2016. Disponível em: http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 23 jan. 2017.

MALUF, Renato Sérgio Jamil. Segurança alimentar e nutricional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MARSDEN, Terry. Theorising food quality: some key issues in understanding its competitive production and regulation. In: HARVEY, Mark; MCMEEKIN, Andrew; WARDE, Alan. (Ed.). Qualities of food. New York: Palgrave, 2004. p. 129-55.

MORGAN, Kevin; SONNINO, Roberta. Repensando a alimentação escolar: o poder do prato público. In: WORLDWATCH INSTITUTE. Estado do mundo: transformando culturas - do consumismo à sustentabilidade. Bahia: Ed. UMA, 2010.

ORGANIZACIÓN DE LÁS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACIÓN (FAO). Programas de alimentación escolar y compras da agricultura familiar campesina en los programas sociales de asistencia alimentaria: taller técnico regional. Manágua: [s.n.], 2011.

RENTING, Henk; MARSDEN, Terry; BANKS, Jo. Compreendendo as redes alimentares alternativas: o papel das cadeias curtas de abastecimento de alimentos no desenvolvimento rural. In: SCHNEIDER, Sergio; GAZOLLA, Marcio (Org). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. Porto Alegre: UFRGS, 2017. p. 27-51.

SCARABELOT, Maristela; SCHNEIDER, Sergio. As cadeias agroalimentares curtas e desenvolvimento local – um estudo de caso no município de Nova Veneza/SC. Faz Ciência, Francisco Beltrão, PR, v. 14, n. 19, jan./ jun.. 2012. p. 101-30.

SCHNEIDER, Sergio; FERRARI, Dilvan Luiz. Cadeias curtas, cooperação e produtos de qualidade na agricultura familiar – o processo de relocalização da produção agroalimentar em Santa Catarina. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, MG, v. 17, p. 56-71, n. 1, jan./mar. 2015.

SCHNEIDER, Sergio; GAZOLLA, Marcio. Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. In: SCHNEIDER, Sergio; GAZOLLA, Marcio (Org.). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2017. p. 9-24.

SILVA NETO, Benedito. Análise-Diagnóstico de Sistemas Agrários: uma interpretação baseada na Teoria da Complexidade e no Realismo Crítico. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, RS, v. 5, n. 9, p. 33-58, jan./jun. 2007.

TRICHES, Rozane Marcia. Repensando o mercado da alimentação escolar: novas institucionalidades para o meio rural. In: GRISA, Catia; SCHNEIDER, Sergio (Org.). Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Porto Alegre: UFRGS, 2015. p. 161-200.

TRICHES, Rozane Marcia; SCHNEIDER, Sergio. Alimentação escolar e agricultura familiar: reconectando o consumo à produção. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 933-45, out./dez. 2010.

TRICHES, Rozane Marcia; BACCARIN, José Giacomo. Interações entre alimentação escolar e agricultura familiar para o desenvolvimento local. In: TEO, Carla Rosane P. A.; TRICHES, Rozane Marcia (Org.). Alimentação escolar: construindo interfaces entre saúde, educação e desenvolvimento. Chapecó, SC: Unochapecó, 2016. p. 89-109.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v0i0.1773

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)