Análise do fluxo de Água virtual: uma abordagem a partir da balança comercial de Mato Grosso do Sul

Adriana Kirchof de Brum, Daniel Massen Frainer, Celso Correia Souza, José Francisco dos Reis Neto

Resumo


A alocação dos recursos hídricos tem despertado a atenção dos mais diversos segmentos da sociedade moderna. Geralmente, em regiões caracterizadas pela agropecuária, como é o caso do estado de Mato Grosso do Sul (MS), o uso da água no processo de produção se torna mais intensivo, de forma a refletir na utilização dos recursos naturais. A ideia de “água virtual” baseia-se no conceito de água embutida nos produtos, e tem despertado crescente interesse da comunidade nacional e internacional tendo em vista a necessidade de aprimorar a gestão dos recursos hídricos. Sendo assim, o objetivo principal deste artigo é analisar o saldo de água virtual decorrente do comércio internacional do Estado sul-mato-grossense e o resto do mundo, de forma a verificar o saldo superavitário ou deficitário em relação aos seus principais produtos comercializados no exterior. Para verificar se o balanço virtual de água é favorável ou desfavorável ao Estado, devem-se mensurar as relações de troca no comércio produto a produto utilizando-se a metodologia do cálculo da Pegada Hídrica proposta por Hoekstra et al. (2011) bem como dos indicadores de encadeamento para trás e para frente definidos pela matriz de insumo-produto a fim de entender o comportamento da demanda de água na economia do Estado. Os resultados apontam para um déficit no balanço das transações de água entre esse Estado e as demais economias com que comercializa seus produtos.


Palavras-chave


economia ambiental; Mato Grosso do Sul; água virtual.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLAN, J. A. Virtual water: the water, food and trade nexus, useful concept or misleading metaphor? IWRA, Water International, v. 28, n. 1, p. 4-11, mar. 2003. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/119e/706b7fe912aa235f74d85d5635ca8c125721.pdf

ANA. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil: 2013. Brasília: Agência Nacional de Águas – ANA, 2013. Disponível em:  http://arquivos.ana.gov.br/institucional/spr/conjuntura/webSite_relatorioConjuntura/projeto/index.html. Acesso em: 29 abr. 2014.

BANCO MUNDIAL. Renewable internal freshwater resources, total (billion cubic meters). 2014. Disponível em: https://data.worldbank.org/indicator/ER.H2O.INTR.K3?view=chart

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Pantanal. Brasília, DF: MMA, 2016. Disponível em: http://www.mma.gov.br/biomas/pantanal.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Projeções do Agronegócio: Brasil 2014/2015 a 2024/2025, projeções de longo prazo. Brasília, DF: MAPA, 2015.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio MDIC. Estatísticas de Comércio Exterior. [s.d.]. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior

CARMO, R. L.; OJIMA, A. L. R. O.; OJIMA, R.; NASCIMENTO, T. T. Água virtual, escassez e gestão: o Brasil como grande exportador de água. Ambiente & Sociedade, Campinas, SP, v. 10, n. 2, P. 83-96, 2007.

DUARTE, R.; YANG, H. Input-output and water: introduction to the special issue. Economic Systems Research, v. 23, n. 4, p. 341-51, out. 2011.

FAO. Water at a glance. The re-lationship between water, agriculture, food security and poverty. 2007. Disponível em: http://www.fao.org/3/ap505e/ap505e.pdf

HIRSCHMAN, A. The strategy of economic development. New Haven, Connecticut, EUA: Yale University Press, 1958. (Cap. 6).

HOEKSTRA, A. Y.; HUNG, P. Q. Virtual water trade: a quantification of virtual water flows between nations in relation to international crop trade. Value of Water Research Report Series n. 11. Delft, The Netherlands: IHE, 2002. Disponível em:  https://waterfootprint.org/media/downloads/Report11_1.pdf.

HOEKSTRA, A. Y. et al. Manual de avaliação da pegada hídrica. Estabelecendo o padrão global. Tradução Solução Supernova. Revisão da tradução Maria Cláudia Paroni. 2011. Disponível em: http://ayhoekstra.nl/pubs/Hoekstra-et-al-2013-ManualDeAvaliacaoDaPegadaHidrica.pdf

HOEKSTRA, A. Y. Sustainable, efficient, and equitable water use: the three pillars under wise freshwater allocation. Wiley Periodicals, 2013. Disponível em: https://waterfootprint.org/media/downloads/Hoekstra-2013-Sustainable-efficient-equitable-water-use.pdf

IBGE. Produção Agrícola Municipal - PAM. 2003-2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IBGE. Produção Agrícola Municipal - PAM. 2002-2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

IMASUL. Gestão ambiental em Mato Grosso do Sul: conceitos e práticas.  Eliane Crisóstomo Dias Ribeiro de Barros e Eliane Maria Garcia (Org.). Dourados, MS: Editora UEMS, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE FLORESTAS. Bioma Mata Atlântica. Brasília, DF, 2016. Disponível em: http://www.ibflorestas.org.br/bioma-mata-atlantica.html.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE. Perfil Estatístico de Mato Grosso do Sul 2015: ano base: 2014. Campo Grande, MS: SEMADE, 2015.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia e Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - SEMAC. Plano estadual de recursos hídricos de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: Editora UEMS, 2010.

MEKONNEN, M. M.; HOEKSTRA, A. Y. The green, blue and grey water footprint of crops and derived crop products. Hydrology and Earth System Sciences, n. 15, 2011. Disponível em: https://waterfootprint.org/media/downloads/Mekonnen-Hoekstra-2011-WaterFootprintCrops_2.pdf

RASMUSSEN, P. N. Studies in intersectorial relations. Amsterdã, North Holland: [s.n.], 1956. (Cap. 8).

WIEDMANN, T.; LENZEN, M.; TURNER, K.; BARRETT, J. Examining the global environmental impact of regional consumption activities – Part 2: review of input-output models for the assessment of environmental impacts embodied in trade. Ecological Economics, v. 61, n. 1, p. 15-26, fev. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v0i0.1587

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)