Análise da Social Netchain em cadeias do agronegócio: aplicação em uma cadeia brasileira de pescado

Andréia Maria Kremer, Edson Talamini

Resumo


Este estudo buscou analisar a configuração da Social Netchain da cadeia do pescado do município de Mundo Novo, MS, através da metodologia de análise de redes sociais. Os resultados sugerem que a Social Netchain possui baixos índices de coesão e fragilidade quanto à saída de atores centrais, podendo nesses casos ocasionar o rompimento da rede. Além disso, é possível relacionar os índices de confiança entre os agentes com a posição que ocupa na rede. 


Palavras-chave


Social Netchain; relações sociais; confiança.

Texto completo:

PDF

Referências


BATALHA, M. O. Sistemas agroindustriais: definições e correntes metodológicas. In: ______ (Coord.). Gestão agroindustrial. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008. v. 1, p. 23-48.

BONACICH, P. Power and centrality: a family of measures. American Journal of Sociology, v. 92, p. 1170-82, mar. 1987.

BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logistical management: the integrated supply chain process. Singapura: McGraw-Hill Companies, 1996.

BREITENBACH, R.; BRANDÃO, J. B.; ZORZAN, M. Vantagens e oportunismo no relacionamento entre associados e cooperativa de laticínios. Interações, Campo Grande, MS, v. 18, n. 2, abr./jun. 2017.

CARSTENS, D. D. S. Estrutura de Relacionamentos Interorganizacionais e estratégias das empresas da rede Hiperfarma. 2005. 249f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, 2005.

DAVIS, J. H.; GOLDBERG, R. A. A concept of agribusiness. Boston: Division of Research, Graduate School of Business Administration, Harvard University, 1957. 136p.

FARINA, E. M. M. Q. Organização industrial no agribusiness. In: ZYLBERSTAJN, D.; NEVES, M. F. (Ed.). Economia e gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo: Pioneira, 2000.

FREEMAN, L. C. Centrality in social networks: conceptual clarification. Social networks, v. 1, n. 3, p. 215-39, 1979.

GOLDBERG, R. A. Agribusiness coordination: a systems approach to the wheat, soybean, and Florida orange economies. Boston: Division of Research. Graduate School os Business Administration, Harvard University, 1968. 256p.

GRANOVETTER, M. Economic Institutions as Social Constructions: a framework for analysis. Acta Sociologica, v. 35, p. 3-11. 1992.

______. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. The American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

______. The Strength of Weal Ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-80, 1973.

GRAZIANO DA SILVA, J. F. A nova dinâmica da agricultura brasileira. 2. ed. Campinas, SP: Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, 1996.

HANNEMAN, R. A. Introduction to social network methods. Riverside: University of California, 2001.

HANNEMAN, R. A; RIDDLE, M. Introduction to social network methods. Riverside: University of California, 2005.

HOFSTEDE, G. J. Culture, globalizations and netchains. Chain Management Conference, maio 2004.

LABONNE, M. Sur le concept de filiere en economie agro-alimentaire. In: REUNIÃO MSA-CEGET, 13-14 de junho de 1985. Anais... Montpellier: Institut National de la Recherche Agronomique, 1985.

LAGO JÚNIOR, M. W. Redes sociais informais intraorganizacionais e os processos e mudanças organizacionais: estudo em uma empresa de tecnologia da informação. 2005. 250f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, 2005.

LAMBERT, D. M.; COOPER, M. C. Issues in Supply Chain Management. Industrial Marketing Management, New York, v. 29, p. 65-83, 2000.

LAZZARINI, S. G.; CHADDAD, F. R.; COOK, M. L. Integrating supply chain and network analyses: the study of netchains. Journal on Chain and Network Science, Wageningen, v. 1, n. 1, p. 7-22, 2001.

MORVAN, Y. Fondements d' economie industrielle. Paris: Economica, 1991. 639p.

PIGATTO, G. A. S.; QUEIROZ, T. R.; LOURENZANI, A. E. B. S. Redes sociais de produtores de mandioca em regiões do estado de São Paulo. Interações, Campo Grande, MS, v. 16, n. 1, p. 75-86, 2015.

RADOMSKY, G.; SCHNEIDER, S. Nas teias da economia: o papel das redes sociais e da reciprocidade nos processos locais de desenvolvimento. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 22, n. 2, p. 249-84, maio/ago. 2007.

RAUD-MATTEDI, C. H. J. Análise crítica da Sociologia Econômica de Mark Granovetter: os limites de uma leitura do mercadoem termos de redes e imbricação. Politica & Sociedade - Revista de Sociologia Politica, Florianópolis, n. 6, p. 59-82, abr. 2005.

SCOTT, J. Social network analysis: a handbook. 2. ed. London: Sage Publications, 2000. 208 p.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. 2. ed. London: Sage Publications, 2001.

STEPHENSON, K.; ZELEN, M. Rethinking centrality: methods and examples. Social Networks, v. 11, n. 1, p. 1-37, mar. 1989.

TALAMINI, E.; FERREIRA, G. M. V. Merging netchain and social network: introducing the ‘social netchain’ concept as an analytical framework in the agribusiness sector. African Journal of Business Management, v. 4, n. 13, p. 2981-93, 2010.

TALAMINI, E.; PEDROZO, E. A. Matriz de Insumo-Produto (MIP) de uma propriedade rural derivada do estudo de filiere. Teoria e evidencia econômica, Passo Fundo, RS, v. 12, p. 77-103, 2004.

TOMAÉL, M. I., MARTELETO, R. M. Redes Sociais: posições dos atores no fluxo da informação. Encontros Bibli - Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciências da Informação, Florianópolis, n. esp., 2006.

UZZI, B. Social structure and competition in interfirm networks: the paradox of embeddedness. Administrative Science Quarterly: Cornell University, ABI/INFORM Global, n. 42, p. 35-67, 1997.

WASSERMAN, S; FAUST. K. Social Network Analysis: methods and applications. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

ZYLBERSZTAJN, D. Conceitos gerais, evolução e apresentação do sistema agroindustrial. In: ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M. F. (Ed.). Economia e gestão dos negócios agroalimentares. 1. ed. São Paulo: Pioneira; Thomson Learning, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v0i0.1576

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)