Convergência entre as Taxas de Mortalidade Infantil e os Índices de Desenvolvimento Humano no Brasil no período de 2000 a 2010

Paulo Cezar Rodrigues Martins, Elenir Rose Jardim Cury Pontes, Leandro Tsuneki Higa

Resumo


Este estudo tem como objetivo verificar a convergência entre a diminuição da Taxa de Mortalidade Infantil e o aumento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal nas Grandes Regiões e Unidades da Federação no Brasil no período de 2000 a 2010. O tipo de estudo adotado foi o ecológico. Conclui-se que houve redução das Taxas de Mortalidade Infantil e aumento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, de forma não homogênea nas áreas de estudo.


Palavras-chave


mortalidade infantil; desenvolvimento humano; estudo ecológico.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

FISCHER, T. K. et al. A mortalidade infantil no Brasil: série histórica entre 1994-2004 e associação com indicadores socioeconômicos em municípios de médio e grande porte. Medicina, Ribeirão Preto, SP, v. 40, n. 4, p. 559-66, out./dez. 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015. Estudos & pesquisas. Informação demográfica e socioeconômica, Rio de Janeiro, n. 35, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2015. Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. 2016. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Tabuas_Completas_de_Mortalidade/Tabuas_Completas_de_Mortalidade_2015/tabua_de_mortalidade_analise.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Relatório Nacional de Acompanhamento. Grupo Técnico para o acompanhamento dos ODM. Brasília: Ipea: MP, SPI, 2014.

JANNUZZI, P. de M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público Brasília, Brasília, v. 56, n. 2, p. 137-60, abr./jun. 2005.

KAEMPFFER, A. R.; MEDINA, E. L. Mortalidad infantil reciente em Chile: éxitos Y desafios. Revista Chilena de Pediatría, Santiago, Chile, v. 77, n. 5, p. 492-500, out. 2006

LINS, J. G. M. G. et al. Análise espacial da evolução do índice de desenvolvimento humano nos municípios da região nordeste. Revista Economia e Desenvolvimento, Recife, PE, v. 14, n. 1, p. 81-96, jan./jun. 2015.

MEDRONHO, R. de A. et al. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, 2009.

POPULATION REFERENCE BUREAU (PRB). Cuadro de Datos de La Población Mundial 2014. Disponível em: <http://www.prb.org/pdf14/2014-world-population-data-sheet_spanish.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Desenvolvimento humano nas macrorregiões brasileiras: 2016. Brasília: PNUD; IPEA; FJP, 2016. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6217/1/Desenvolvimento%20humano%20nas%20macrorregi%C3%B5es%20brasileiras.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

______. Relatório do Desenvolvimento Humano 2015. O trabalho como motor do desenvolvimento humano. 2015. Disponível em: <http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr_2015_report_pt.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

______. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro 2013. Brasília: PNUD, Ipea, FJP, 2013. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/130729_AtlasPNUD_2013.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2016.

REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÕES PARA A SAÚDE (RIPSA). Indicadores de mortalidade. Taxa de mortalidade infantil. 2012. Disponível em: <tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/c01b.htm>. Acesso em: 21 jan. 2017.

______. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008.

SCHELL, C. O. et al. Socioeconomic determinants of infant mortality: a wordwide study of 152 low, middle, and highincome countries. Scandinavian Journal of Public Health, v. 35, n. 3, p. 288-97, 2007.

SOUSA, Angelica; HILL, Kenneth; DAL POZ, Mario R. Sub-national assessment of inequality trends in neonatal and child mortality in Brazil. International Journal for Equity in Health, n. 9, 2010. Disponível em: <https://equityhealthj.biomedcentral.com/articles/10.1186/1475-9276-9-21>. Acesso em: 21 jan. 2017.

SOUSA, T. R. V.; LEITE FILHO, P. A. M. Análise por dados em painel do status de saúde no Nordeste brasileiro. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 5, p. 796-804, out. 2008.

THE WORLD BANK GROUP. Mortality rate, infant (per 1,000 live births). 2016. Disponível em: <http://data.worldbank.org/indicator/SP.DYN.IMRT.IN?view=chart>. Acesso em: 21 jan. 2017.

VICTORA, C.G. et al. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet, v. 377, n. 9780, p. 1863- 76, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v19i2.1552

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)