A importância da educação ambiental para graduandos da Universidade Estadual de Goiás: Campus Morrinhos

Flávio Reis Santos, Adriana Maria Silva

Resumo


Este artigo teve por objetivos investigar a percepção de Educação Ambiental dos acadêmicos dos cursos de graduação em Ciências Biológicas, Geografia e História da Universidade Estadual de Goiás, bem como identificar a compreensão que eles têm acerca do meio ambiente em que estão inseridos, considerando que a educação ambiental pode contribuir para a solidificação teórico-metodológica da reorganização acadêmica do campus como espaço político privilegiado para a produção e acomodação social.

Palavras-chave


educação; acadêmicos; meio ambiente; sustentabilidade ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBIERI, José Carlos. Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda 21. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

BATISTA, Eraldo Leme; LIMA, Marcos Roberto. A pedagogia histórico-crítica como teoria pedagógica transformadora: da consciência filosófica à prática revolucionária. In: MARSIGLIA, Ana Carolina Galvão; BATISTA, Eraldo Leme (Org.). Pedagogia histórico-crítica: desafios e perspectivas para uma educação transformadora. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental. 2. ed. Brasília: MMA, 2014. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/publicacoes/educacao-ambiental/category/98-pronea>. Acesso em: 20 set. 2015.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Resolução n. 2, de 15 de junho de 2012. Brasília, DF: MEC/CNE/CP, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 28 ago. 2015.

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília, DF: Presidência da República/Casa Civil, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm>. Acesso em: 18 set. 2015.

BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Brasília, DF: Presidência da República, 1981. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm>. Acesso em: 15 abr. 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conceitos de educação ambiental. Conferência Sub-Regional de Educação Ambiental (CSREA). Chosica, Peru, 1976. Brasília, DF: MMA, [s.d.]. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/educacao-ambiental/politica-de-educacao-ambiental>. Acesso em: 16 abr. 2017.

CARVALHO, Anésio Rodrigues; OLIVEIRA, Mariá Vendramini Castrignano. Princípios básicos de saneamento do meio. São Paulo: SENAC, 2003.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991. Disponível em: <https://pt.scribd.com/doc/12906958/Relatorio-Brundtland-Nosso-Futuro-Comum-Em-Portugues>. Acesso em: 15 abr. 2017.

CONFERÊNCIA INTERGOVERNAMENTAL DE TBILISI (CIT). Declaração da Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental. Geórgia, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), 14-26 out. 1977. Disponível em: <http://www.ambiente.sp.gov.br/wp-content/uploads/cea/Tbilisicompleto.pdf>. Acesso em: 5 out. 2015.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e práticas. 6. ed. São Paulo: Gaia, 2000.

GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2011.

LEFF, Enrique. Ecologia, capital e cultura: racionalidade ambiental, democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Blumenau, SC: EDIFURB, 2000.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. A educação ambiental no Brasil. Proposta pedagógica. Salto para o Futuro, Brasília, ano 18, boletim 1, mar. 2008. Disponível em: <www.educacaoambiental.pro.br/victor/biblioteca/MECSEADEABR.doc>. Acesso em: 20 set. 2015.

MIRANDA, Fátima Helena da Fonseca; MIRANDA, José Arlindo; RAVAGLIA, Rosana. Abordagem interdisciplinar em Educação Ambiental. Revista Práxis, ano 2, n. 4, ago. 2010. Disponível em: <http://web.unifoa.edu.br/praxis/numeros/04/11.pdf>. Acesso em: 19 set. 2015.

OLIVEIRA, Izes Regina; MILIOLI, Geraldo. A urbanização e os desafios conceituais do ecossistema: uma contribuição à aplicabilidade do desenvolvimento sustentável para o município de Criciúma, Santa Catarina, Brasil. Territórios, n. 29, 2013. Disponível em: <http://revistas.urosario.edu.co/index.php/territorios/article/view/2997/2421>. Acesso em: 12 abr. 2016.

RUSCHENSKY, Aloísio; MEDEIROS, Marjorie Fonseca e Silva. A gestão de territórios sustentáveis e as ações estratégias das universidades. Guaju, Matinhos, PR, v. 2, n. 2, p. 125-160, jul./dez. 2016. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/guaju/article/view/49768/29792>. Acesso em: 16 abr. 2017.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico-crítica. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SORRENTINO, Marcos et al. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, maio/ago. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n2/a10v31n2.pdf >. Acesso em: 16 abr. 2017.

TALAMONI, Jandira L. B.; SAMPAIO, Aloísio Costa. Educação ambiental: da prática pedagógica à cidadania. São Paulo: Escritura, 2003.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Pesquisa em Educação Ambiental na Universidade: produção de conhecimentos e ação educativa. In: TALAMONI, Jandira; SAMPAIO, Aloísio Costa (Org.). Educação ambiental: da prática pedagógica à cidadania. São Paulo: Escrituras, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v18i2.1427

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1984-042X (versão online)
ISSN 1518-7012 (versão impressa, até v. 16, n. 1, jan./jun. 2015)