Desenvolvimento local no agreste pernambucano: uma “utopia possível”

Fátima Regina Ney Matos, Adriana Teixeira Bastos, Diego de Queiroz Machado

Resumo


O trabalho tem como proposta identificar a ocorrência de desenvolvimento local em um aglomerado produtivo situado em Toritama, município pernambucano que vem se inserindo no modelo dos “novos sertões”. A abordagem metodológica foi a pesquisa qualitativa, e a coleta foi feita por meio de entrevistas semiestruturadas e observação. Os resultados mostraram indícios de desenvolvimento local, pois oferece plena ocupação para seus habitantes em centenas de micro e pequenos negócios, formando um “território alternativo”.

 


Palavras-chave


Desenvolvimento local. Aglomerado produtivo. Território alternativo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, R. C. de. Bases de uma nova estratégia de desenvolvimento para o Nordeste. In: VELLOSO, J. P. dos R.; ALBUQUERQUE, R. C. de (Coord.). A promoção do desenvolvimento: os 50 anos do BNDES e do Banco do Nordeste. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

AMORIM, M. A. Clusters como estratégia de desenvolvimento industrial no Ceará. Fortaleza: Banco do Nordeste, 1998.

BAGNASCO, A. Desenvolvimento regional, sociedade local e economia difusa. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A. P. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos – o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

BECATTINI, G. Os distritos industriais na Itália. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A.P. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos – o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

BECKER, H. S. Métodos de pesquisa em Ciências Sociais. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

BRUYNE, P. de; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. de. Dinâmica da pesquisa em Ciências Sociais os pólos da prática metodológica. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

CASTELLS, M. A sociedade em rede (a era da informação: economia, sociedade e cultura). 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003. Vol. 1.

COCCO, G.; GALVÃO, A.P.; SILVA, M.C.P da. Desenvolvimento local e espaço público na Terceira Itália: questões para a realidade brasileira. In: COCCO, G.; URANI; A.; GALVÃO, A. P. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos – o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

COSTA, M. T. As pequenas e médias empresas no desenvolvimento local: conceito e experiências. In: GUIMARÃES, N. A.; MARTINS, S. (Org.). Competitividade e desenvolvimento atores e instituições locais. São Paulo: SENAC, 2001.

DINIZ, C. C.; LEMOS, M. B. Economia e território. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2005.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1965.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research. New York: Aldine, 1967.

GUERREIRO RAMOS, A. A nova ciência das organizaçõesuma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1989.

HAESBAERT, R. Territórios alternativos. São Paulo: Contexto, 2002.

HARVEY, D. Condição pós-modernauma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 4. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

HIRSCHMAN, A. O. Teorizando sobre o desenvolvimento econômico de uma perspectiva histórica. Estudos Cebrap, São Paulo, n. 18, p.7-44, out./nov./dez. 1986.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KALECKI, M. Crescimento e ciclo das economias capitalistas. São Paulo: Hucitec, 1980.

KIM, L. Technology policies and strategies for developing countries: lessons from the Korean experience. Technology Analysis & Strategic Management, v. 10, n. 3, 1998.

KLIKSBERG, B. Repensando el Estado para el desarrollo social: más allá de convencionalismos. Revista del CLAD Reforma y Democracia, Caracas, jan. 1997.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. (Org.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Contraponto, 2005.

LÉVESQUE, B. Contribuição da Nova Sociologia Econômica para repensar a economia no sentido do desenvolvimento sustentável. Revista de Administração de Empresas – RAE, São Paulo, v. 47, n. 2, p. 49-60, abr./jun. 2007.

McNAUGHTON, R. B. Industrial districts and social capital. In: GREEN, M. B.; McNAUGHTON, R. B. (Ed.). Industrial Networks and Proximity. Aldeshort, UK: Ashgate, 2000.

MERRIAM, S. B. Qualitative research and case study applications in education. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

METCALFE, S. O empreendedor e o estilo da economia moderna. In: CASTRO, A. C.; LICHA, A.; PINTO JR, H. Q.; SABOIA, J. (Org.). Brasil em desenvolvimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

OLIVEIRA, G. B. de. Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. In: OLIVEIRA, G. B. de; SOUZA-LIMA, J. E. de. (Org.) O desenvolvimento sustentável em focouma contribuição multidisciplinar. Curitiba/São Paulo: Annablume, 2006.

ORNÉLAS, W. O Banco do Nordeste, o Nordeste e o BNDES. In: VELLOSO, J. P. dos R.; ALBUQUERQUE, R. C. de (Coord.). A promoção do desenvolvimento: os 50 anos do BNDES e do Banco do Nordeste. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

OUTHWAITE, W.; BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento social do século XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

PATTON, M. Qualitative research and evaluation methods. 3. ed. Thousand Oaks: Sage, 2002.

PIORE, M.; SABEL, C. La segunda ruptura industrial. Madri: Alianza Editorial, 1984.

POLANYI, K. A grande transformação as origens da nossa época. 8. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

PORTER, M. E. Competição – estratégias competitivas essenciais. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1999.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. 2000. Disponível em: <www.pnud.org.br>. Acesso em: ago. 2007.

RICARDO, D. Princípios de economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores).

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: EDUSP, 2005.

SCHUMACHER, E. F. O negócio é ser pequeno. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS – SEBRAE. 2006. Disponível em: <www.sebrae.com.br>. Acesso em: mar. 2007.

SENGENBERGER, W.; PIKE, F. Distritos industriais e recuperação econômica local: questões de pesquisa e de política. In: COCCO, G.; URANI; A., GALVÃO, A. P. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos – o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

SMITH, A. A riqueza das nações. São Paulo: Martins Fontes, 2003. Vol. 1.

SOUZA SANTOS, B. de. Democratizar a democracia os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

______. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1995.

SPINK, P. K. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia & Sociedade, v. 15, n. 2, p. 18-42, jul.∕dez. 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/interações.v15i1.135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)