Análise da eficiência e o posicionamento do ranking das cooperativas de crédito do Brasil

Fábio José Diel, Tarcísio Pedro Silva

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi analisar a eficiência e o posicionamento do ranking das cooperativas de crédito do Brasil, tendo característica descritiva e documental, com tratamento quantitativo. Nos resultados, quando utilizada matriz de preferência no método AHP, o ranking original apresentado pelo BACEN altera posição de 48 das 50 cooperativas, classificando inversamente ao ranking original.

 


Palavras-chave


Eficiência. Ranking. Cooperativas de crédito.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCHER, S. H. The structure of management decision theory. The Academy of Management Journal, New York, USA, v. 7, n. 4, p. 269-287, Dec. 1964.

BACCARINI, D.; ARCHER, R. The risk ranking of projects: a methodology. International Journal of Project Management, Philadelphia, USA, v. 19, n. 1, p. 139-145, 2001.

BRASIL. Lei n. 4.595 de 31 de dezembro de 1964. Dispõe sobre a Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias, Cria o Conselho Monetário Nacional e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4595.htm>. Acesso em: 20 nov. 2011.

______. Lei Complementar n. 130, de 17 de abril de 2009. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo e revoga dispositivos das Leis nos 4.595, de 31 de dezembro de 1964, e 5.764, de 16 de dezembro de 1971. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 25 maio 2012.

______. Resolução n. 3.859 de 27 de maio de 2010. Altera e consolida as normas relativas à constituição e ao funcionamento de cooperativas de crédito. Disponível em: <www.cooperativismodecrédito.com.br>. Acesso em: 25 maio 2012.

BRITO, G. A. S.; ASSAF NETO, A. Modelo de classificação de risco de crédito de empresas. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 19, n. 46, p. 18-29, jan./abr. 2008.

BÚRIGO, F. L. Finanças e solidariedade: o cooperativismo de crédito rural solidário no Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 312-349, dez. 2006.

______. Finanças e solidariedade: uma análise do cooperativismo de crédito rural solidário no Brasil. 2006. 374f. Tese (Doutorado em Sociologia Política) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

CARLETON, W. T. An Analytical Model for Long-Range Financial Planning. The Journal of Finance, Malden, USA, v. 25, n. 2, p. 291-315, 1970.

COOPERATIVISMO de Crédito. Disponível em: <www.cooperativismodecredito.com.br>. Acesso em: 20 nov. 2011.

CUNHA, P. R.; BEUREN, I. M. Técnicas de amostragem utilizadas nas empresas de auditoria independente estabelecidas em Santa Catarina. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 17, n. 40, p. 67-86, jan./abr. 2006.

DAUTEN, C. A. A fresh approach to the place of consumer credit in economic and financial thinking. The Journal of Finance, Malden, USA, v. 9, n. 2, p. 111-123, May 1954.

DAYSON, K.; CARBONI, B. J.; KICKUL, J.; CALDERON, M.; GARRIDO, S. R. Introduction. In. CARBONI, B. J. (Org.). Handbook of microcredit in Europe: social inclusion through microenterprise development. Cheltenham, UK: MPG Books Groupl, 2010.

FAMA, E. F. Components of Investment Performance. The Journal of Finance, Malden, USA, n. 27,  v. 3, p. 551-567, 1972.

FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A.; TOLEDO, G. L. Estatística aplicada. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

FRIED, H. O.; LOVELL, C. A. K.; YAISAWARNG, S. The impact of mergers on credit union service provision. Journal of Banking & Finance, Santa Clara, USA, v. 23, p. 367-386, 1999.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

GONÇALVES, R. M. L. Condicionantes do risco de liquidez em cooperativas de economia e crédito mútuo do estado de Minas Gerais. 2005. 118f. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) – Programa de Pós-graduação em Economia Aplicada, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2005.

GRACE, M. F.; HARRINGTON, S. E.; KLEIN, R. W. Risk-based capital and solvency screening in property-liability insurance: hypotheses and empirical tests. The Journal of Risk and Insurance, Pennsylvania, USA, n. 65, v. 2, p. 213-243, 1998.

HORRIGAN, J. O. A short history of financial ratio analysis. The Accounting Review, Pittsburgh, USA, n. 43, v. 2, p. 284-294, 1968.

LAZZARINI, S. G.; BIALOSKORSKI NETO, S.; CHADDAD, F. R. Decisões financeiras em cooperativas: fontes de ineficiência e possíveis soluções. Gestão e Produção (UFSCAR), São Carlos, SP, v. 6, n. 3, p. 257-268, dez. 1999.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

PINHEIRO, M. A. H. Cooperativas de crédito: história da evolução normativa no Brasil. Brasília: BCB, 2005.

______. ______. 6. ed. Brasília: BCB, 2008.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. Caracterização da pesquisa em Contabilidade. In. BEUREN, I. M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

ROBBINS, S.; FOSTER JR, E. Profit-planning and the finance function. The Journal of Finance, Malden, USA, v. 12, n. 4, p. 451-467, Dec., 1957.

SAATY, T. L. Método de análise hierárquica. São Paulo: Makron Books, 1991.

SANTOS, K. F.; CARMONA, C. U. M.; LEISMANN, E. L. Gerenciamento do risco de crédito em micro e pequenas empresas: recortes teórico-empíricos. Revista da Micro e Pequena Empresa, Campo Limpo Paulista, SP, v. 3, n. 3, p. 83-95, 2010.

SHIMIZU, T. Decisão nas organizações. São Paulo: Atlas, 2001.

SILVA, E. S. A eficiência econômica e social em cooperativas do setor pecuário em Pernambuco. Custos e @gronegócio on line, Recife, PE, v. 1, n. 2, p. 25-44, 2005.

SILVA, A. C. R. Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade: orientações de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações, teses. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SILVA, T. P.; FIORENTIN, M.; TOLEDO FILHO, J. R. Análise da eficiência e do ranking das dez maiores cooperativas de crédito do Brasil. Espacios, Caracas, v. 2, n. 32, p. 29-46, 2011.

SILVA FILHO, G. T. Avaliação de desempenho em cooperativas de crédito: uma aplicação do modelo de gestão econômica – GECON. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, MG, v. 1, n. 4, p. 266-282, 2002.

SILVA, T. P. Risco positivo na atividade de crédito que otimiza o desempenho econômico-financeiro de cooperativas de crédito. 2012. 203p. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis e Administração) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, 2012.

SOARES, M. M.; MELO SOBRINHO, A. D. Microfinanças: o papel do Banco Central do Brasil e a importância do cooperativismo de crédito. Brasília: BCB, 2007.

TURNOVSKY, S. J. Financial structure and the theory of production. The Journal of Finance, Malden, USA, v. 25, n. 5, p. 1061-1080, Dec., 1970.

VERGARA, S. C. Projeto e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1998.

ZHOU, L.; LAI, K. K. Multi-agent ensemble models based on Weighted Least Square SVM for credit risk assessment. Global Congress on Intelligent Systems, Hong Kong, China, 19-21 May 2009. v. 3.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/interações.v15i1.125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)