Cooperativismo no MST: o caso da COPRAN

Ivan César Marconi, Luis Miguel Luzio dos Santos

Resumo


este artigo teve por objetivo principal analisar a COPRAN, uma cooperativa de comercialização do MST, localizada na cidade de Arapongas, estado do Paraná. Especificamente, analisamos o processo de formação, os benefícios e os limites da COPRAN. Os limites internos estão relacionados à adaptação dos que trabalham na COPRAN. Os limites externos estão relacionados à desconfiança de assentados e associados.

Palavras-chave


Cooperativa MST; COPRAN; Assentamento Dorcelina Folador.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, João Cláudio Tupinambá; SCHUCH, Flávio Camargo. Economia popular e solidária: a alavanca para um desenvolvimento sustentável. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2006.

DAL RI, Neusa Maria; VIEITEZ, Candido Giraldez. A educação do Movimento dos Sem-Terra: Instituto de Educação Josué de Castro. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1379-1402, set./dez. 2004.

FABRINI, João Edmilson; MARCOS, Valeria de. Os camponeses e a práxis da produção coletiva. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

FAO; FIDA; PMA. El estado de la inseguridad alimentaria en el mundo 2012: el crecimiento económico es necessário pero no sufi ciente para acelerar la reducción del hambre y la malnutrición. Roma: FAO, 2012.

FERREIRA, Elenar. A cooperação no MST: da luta pela terra à gestão coletiva dos meios de produção. In: SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de (Org.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2003.

GARCIA, Maria Franco. A luta pela terra sob enfoque de gênero: os lugares da diferença no Pontal do Paranapanema. 2004. Tese (Doutorado em Geografia) – Unesp, Presidente Prudente, SP.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo Agropecuário 2006: Brasil, grandes regiões e unidades da federação, 2006. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/2006_ segunda_apuracao/default.shtm>. Acesso em: 09 mar. 2013.

______. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores, 2011. Disponível em: <http://www. ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/ pnad2011/default_sintese.shtm>. Acesso em: 09 mar. 2013.

MACHADO, Eliel. Na contra-mão do neoliberalismo: sem-terra e piqueteiros. Revista Mediações, Londrina, v. 10, n. 2, p. 75-89, 2005.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA - MST. Copran, da ocupação do latifúndio à inauguração da agroindústria. MST, 04 fev 2013. Disponível em: <http://www.mst.org.br/content/copran- -da-ocupa%C3%A7%C3%A3o-do-latif%C3%BAndio- -%C3%A0-inaugura%C3%A7%C3%A3o-da- -agroind%C3%BAstria>. Acesso em: 04 jun. 2013.

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS - OCB. Relatório OCB 2012: cooperativas constroem um mundo melhor. Brasília: OCB, 2013.

SINGER, Paul. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

WORLD BANK. World Development Indicators 2012. Washington, DC: The World Bank, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.20435/1984042X2016202

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Indexada em:
 
 

ISSN 1984-042X (versão online)